ORAÇÃO TODOS OS DIAS

Liturgia dominical
Palavra de deus todos os dias

Liturgia dominical

II de Quaresma Leia mais

Libretto DEL GIORNO
Liturgia dominical
Domingo, 25 de Fevereiro

II de Quaresma


Primeira Leitura

Gênesis 22,1-2.9.10-13.15-18

Após estas ocorrências, Deus pôs Abraão à prova e chamou-o: «Abraão!» Ele respondeu: «Aqui estou.» Deus disse: «Pega no teu filho, no teu único filho, a quem tanto amas, Isaac, e vai à região de Moriá, onde o oferecerás em holocausto, num dos montes que Eu te indicar.»

Chegados ao sítio que Deus indicara, Abraão construiu um altar, dispôs a lenha, atou Isaac, seu filho, e colocou-o sobre o altar, por cima da lenha.

Depois, estendendo a mão, agarrou no cutelo, para degolar o filho. Mas o mensageiro do Senhor gritou-lhe do céu: «Abraão! Abraão!» Ele respondeu: «Aqui estou.» O mensageiro disse: «Não levantes a tua mão sobre o menino e não lhe faças mal algum, porque sei agora que, na verdade, temes a Deus, visto não me teres recusado o teu único filho.» Erguendo Abraão os olhos, viu então um carneiro preso pelos chifres a um silvado. Foi buscá-lo e ofereceu-o em holocausto, em substituição do seu filho. l O mensageiro do Senhor chamou Abraão do céu, pela segunda vez,

e disse-lhe:
«Juro por mim mesmo, declara o Senhor,
que, por teres procedido dessa forma
e por não me teres recusado o teu filho, o teu único filho,

abençoar-te-ei e multiplicarei a tua descendência
como as estrelas do céu e como a areia das praias do mar.
Os teus descendentes apoderar-se-ão das cidades dos seus inimigos.

E todas as nações da Terra se sentirão abençoadas na tua descendência,
porque obedeceste à minha voz.»

Salmo responsorial

Salmo 115 (116) vv. 10-19

Eu tinha confiança, mesmo quando disse:
«A minha aflição é muito grande!»

Na minha perturbação, eu dizia:
«Todo o homem é mentiroso!»

Como retribuirei ao Senhor
todos os seus benefícios para comigo?

Elevarei o cálice da salvação,
invocando o nome do Senhor.

Cumprirei as minhas promessas feitas ao Senhor
na presença de todo o seu povo.

É preciosa aos olhos do Senhor
a morte dos seus fiéis.

Senhor, sou teu servo, filho da tua serva;
quebraste as minhas cadeias.

Hei-de oferecer-te sacrifícios de louvor,
invocando, Senhor, o teu nome.

Cumprirei as minhas promessas feitas ao Senhor
na presença de todo o seu povo,

nos átrios da casa do Senhor,
no meio de ti, Jerusalém!
Aleluia!

Segunda Leitura

Romanos 8,31-34

Que mais havemos de dizer? Se Deus está por nós, quem pode estar contra nós? Ele, que nem sequer poupou o seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós, como não havia de nos oferecer tudo juntamente com Ele? Quem irá acusar os eleitos de Deus? Deus é quem nos justifica! Quem irá condená-los? Jesus Cristo, aquele que morreu, mais, que ressuscitou, que está à direita de Deus é quem intercede por nós.

Leitura do Evangelho

Louvor a Vós, Ó Senhor, Rei de eterna glória

Ontem fui sepultado com Cristo,
hoje ressuscito convosco que ressuscitastes;
convosco fui crucificado,
recordai-vos de mim, Senhor, no vosso Reino.

Louvor a Vós, Ó Senhor, Rei de eterna glória

São Marcos 9, 2-10

Seis dias depois, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João e levou-os, só a eles, a um monte elevado. E transfigurou-se diante deles. As suas vestes tornaram-se resplandecentes, de tal brancura que lavadeira alguma da terra as poderia branquear assim. Apareceu-lhes Elias, juntamente com Moisés, e ambos falavam com Ele. Tomando a palavra, Pedro disse a Jesus: «Mestre, bom é estarmos aqui; façamos três tendas: uma para ti, uma para Moisés e uma para Elias.» Não sabia que dizer, pois estavam assombrados. Formou-se, então, uma nuvem que os cobriu com a sua sombra, e da nuvem fez-se ouvir uma voz: «Este é o meu Filho muito amado. Escutai-o.» De repente, olhando em redor, já não viram ninguém, a não ser só Jesus, com eles. Ao descerem do monte, ordenou-lhes que a ninguém contassem o que tinham visto, senão depois de o Filho do Homem ter ressuscitado dos mortos. Eles guardaram a recomendação, discutindo uns com os outros o que seria ressuscitar de entre os mortos.

 

Louvor a Vós, Ó Senhor, Rei de eterna glória

Ontem fui sepultado com Cristo,
hoje ressuscito convosco que ressuscitastes;
convosco fui crucificado,
recordai-vos de mim, Senhor, no vosso Reino.

Louvor a Vós, Ó Senhor, Rei de eterna glória

Homilia

"Seis dias depois, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e seu irmão João, e levou-os sozinhos a um lugar à parte, sobre uma alta montanha". O Domingo é o dia da transfiguração. Jesus está no centro: os nossos olhos estão todos focados no altar que é Cristo, os nossos ouvidos atentos à Sua voz. É Ele que age, antes de mais, na Sagrada Liturgia: reunindo-nos a todos para a oração faz-nos entrar naquele colóquio espiritual que o evangelista deixa-nos entrever com Jesus que "conversa" com Moisés e Elias e, depois, a intervenção da própria voz do Pai e, por fim, também as palavras de Pedro. É verdade, mantendo todos o olhar fixo em Jesus, somos transfigurados no sentido que nos tornamos mais semelhantes a Jesus, luzentes do Seu amor, da Sua paixão: deste modo, transfiguramos não só a nossa vida como também a dos pobres, a vida dramática daqueles povos que se encontram oprimidos pela guerra e pela fome. Tudo parte da montanha, de Jesus, da liturgia, da oração, por envolvimento, por irradiação daquele rosto. Por isso, a presença na Sagrada Liturgia - antes de mais, daquela física - é a condição para sermos transfigurados, para podermos dizer juntamente com o apóstolo: "já não sou eu que vivo, pois é Cristo que vive em mim". O evangelista Marcos recorda-no-lo na anotação que encerra a cena da transfiguração: os três, no fim da visão, "não viram mais ninguém, a não ser somente Jesus com eles". Aqueles três poderiam regressar à planície da vida com Jesus. Não precisavam de mais ninguém. Basta apenas o Evangelho.
O Evangelho da Transfiguração coloca também na nossa boca - não importa se também nós ficamos confundidos - as palavras do apóstolo Pedro: "É bom ficarmos aqui". É bom ficar aqui no Tabor que nos constitui como um povo. E é bom estarmos juntos aos muitos idosos, jovens, crianças, doentes, pobres, forasteiros que também por meio de nós são transfigurados num povo porque amados e acolhidos. Nestes dias de Quaresma não desviemos o nosso olhar de Jesus, não deixemos de escutar as Suas palavras e de servir os pobres, serão dias de transfiguração, recordando as palavras de exortação de Jesus aos discípulos: "Que a vossa luz brilhe diante dos homens, para que eles vejam as coisas boas que fazeis e louvem o vosso Pai que está nos céus".

PALAVRA DE DEUS TODOS OS DIAS: O CALENDÁRIO