news

A cultura europeia é um factor de integração: o acolhimento dos refugiados em Budapeste faz-se com uma visita ao Museu

17 Fevereiro 2016 - BUDAPESTE, HUNGRIA

A iniciativa Comunidade de Sant'Egidio e do Museu Nacional combina trabalho humanitário e promoção cultural

Compartilhe Em

Há uma atratividade da cultura europeia que não é apenas sobre o turismo. Vimos isso quando, ao chegar na Itália com o primeiro corredor humanitário, a síria Jasmine cantou perante as câmaras, "Eu sou um italiano"".

Música, arte, língua, são fatores de atração e integração. Por isto a Comunidade de Sant'Egidio de Budapeste, há meses envolvida no acolhimento dos refugiados, acompanhou um grupo de refugiados do centro de recepção de Bicske (alguns já reconhecidos com o direito de asilo, outros enquanto se aguarda a decisão das autoridades), para visitar o Museu Nacional de Budapeste.

No início da visita, Péter Szoke, responsável da Comunidade húngara, ao saudar aos hóspedes, salientou a importância da visita: oferecer um sinal de boas-vindas na Hungria, e mostrar que o povo húngaro quer compartilhar com eles a sua história, a cultura onde eles se querem integrar. 

As suas palavras foram reforçadas com a presença do Director do Museu Nacional, prof. László Csorba, que apresentou brevemente o museu e a história de mil anos da nação húngara, salientando em particular que a Hungria tem tido um papel histórico de transmissão entre o Oriente e o Ocidente, e é um ponto de encontro para diferentes culturas.

Os amigos refugiados - entre os quais estavam também famílias com crianças - escutaram com interesse a apresentação da cultura húngara. Alguns, vindos da Síria e do Iraque, intrigados com os antigos manuscritos em árabe, que remontam a dominação otomana, tentaram compreender os textos antigos.

Após a visita, organizada pela Comunidade de Sant'Egidio e a direção do museu, foi oferecido um cocktail aos refugiados.