news

Acontece na Guiné-Bissau: quando não há escola, todos #allascuoladellapace!

18 Outubro 2017 - BISSAU, GUINÉ-BISSAU

School of Peacechildren
Guinea-Bissau

Compartilhe Em

O que fazer se as escolas públicas, na Guiné-Bissau, alcançam apenas um pequeno número de crianças? Se a maioria deles, para aprender a ler e escrever, deve pagar uma escola privada? E se eles não podem pagar? Esta é uma verdadeira "emergência educacional".

Por esta razão, a Escola de Paz de Sant'Egidio em Bissau, já desde alguns meses, decidiu tornar-se "a escola que não existe": de segunda a sexta, dão-se aulas gratuitas, quatro horas por dia.

Os professores são universitários da Comunidade, todos voluntários, que assumiram o compromisso de dar aulas no tempo livre das suas aulas universitárias

O material escolar veio da solidariedade das Escolas da Paz de Roma, que recolheram e enviaram cadernos, canetas e livros.
Hoje, a escola de paz opera em três bairros diferentes das periferias de Bissau. Bairros muito pobres com tantos problemas, onde esses pequenos correm o risco de ser vítimas de traficantes ou grupos criminosos. E as meninas são candidatas para serem meninas-esposas.

Há tantas violações dos direitos das crianças na Guiné-Bissau. Os abusos variam da mutilação genital das raparigas, a exploração do trabalho infantil, ao abandono a uma vida de esmolas e de expedientes. A Comunidade, que sempre acreditou na força da educação, como uma arma poderosa contra a violência contra as crianças, chegou a um acordo com algumas escolas, e no final do ano passado havia um primeiro grupo de alunos da Escola da Paz de Bissau pôde fazer os exames e obter o diploma. E continua-se. Práticas para o reconhecimento da Escola de Paz estão em andamento pelo Ministério da Educação.