news

Sant'Egidio e Moçambique, a história de uma paz - e de uma amizade - que hoje completa 26 anos

4 Outubro 2018 - MOÇAMBIQUE

Peace

Compartilhe Em

26 anos se passaram desde 4 de Outubro de 1992, festa de São Francisco. Naquele dia, em Roma, o presidente de Moçambique e secretário da Frelimo Joaquim Chissano e Afonso Dhlakama, líder da Renamo, a guerrilha que lutou contra o governo de Maputo desde a independência, assinaram um Acordo Geral de Paz que pôs fim a 17 anos de guerra civil (centenas de milhares de mortos, 3-4 milhões de pessoas deslocadas internamente e refugiados em países vizinhos).

A assinatura encerrou um longo processo de negociação, que durou um ano e alguns meses, realizada na sede da Comunidade de Sant’Egidio, em não-grandes salas, mas acolhedoras, num jardim, onde se destacam bananeiras que fazem pensar na África e uma oliveira grande que nos lembra que podemos começar de novo a colaborar novamente após o dilúvio de fogo da oposição armada. Lá, em Trastevere, alguns membros da Comunidade (o fundador, Andrea Riccardi, um bispo de Moçambique (Jaime Gonçalves, da Beira, que faleceu recentemente) e um "facilitador" expressão do governo italiano (Mario Raffaelli) haviam pacientemente elaborado um diálogo entre aqueles que lutavam em nome da ideologia e do poder. Estabeleceram um quadro de negociação em nome da unidade do povo moçambicano, em busca do que une e não do que divide.

Com o Acordo Geral de Paz foi estabelecida a entrega das armas da guerrilha às forças da ONU, a integração dos ex-combatentes no exército regular, procedimentos de desminagem e pacificação das zonas rurais, uma série de passos para transformar o confronto armado entre as partes numa competição baseada em regras constitucionais e democráticas. As eleições de 1994, as primeiras realmente livres na ex-colônia Portuguesa, afirmou o sucesso do processo de negociação e entregou Moçambique a uma nova altura, feita antes de tudo de paz.

A paz pôs em marcha um processo de normalização da situação e de crescimento económico e social. Um caminho não fácil e não linear, mas também uma grande história de sucesso, um exemplo de como um estado pode deixar para trás as enormes dificuldades e os sofrimentos de uma guerra civil, para enfrentar os desafios cada vez mais complexos, mas mais pequenas e de mais fácil gestão, as da economia, das relações internacionais no mundo globalizado, da diversificação social, do fortalecimento de uma consciência civil.

A história destas décadas do pós-guerra foi marcada, sim, por um debate político feroz, e com picos de conflito aberto - entre 2013 e 2014 Dhlakama, não sentindo-se garantido, tinha encontrado de novo o caminho do mato obrigando a comunidade internacional a um novo esforço de mediação - e também, pelo medo, vivo no partido no poder, de alternância democrática, até mesmo localmente, quase que pudesse minar a unidade do país. Mas também pela aceitação pelos presidentes que se susseguiram em Maputo, das normas constitucionais: depois de vencer as eleições em 1999 Chissano recusou-se a concorrer a um terceiro mandato; seu sucessor, Armando Guebuza, que ganhou as rodadas em 2004 e 2009, também se retirou no final do segundo mandato, deixando a posição para o actual presidente, Filipe Nyuzi.

Enquanto isso, o jovem país tem gradualmente curado as suas feridas, reconstruindo a rede das infra-estruturas e das comunicações, fortalecendo, com todas as limitações do contexto sub-saariano, os sistemas de educação e de saúde. Em algumas áreas, até a excelência continental foi alcançada. Como quando, em Fevereiro de 2002, o primeiro centro DREAM foi aberto para a terapia anti-retroviral em África, o da Machava, nos arredores de Maputo. Um centro de saúde gerido por Sant'Egidio, mas não privado, ligado à saúde pública, e, portanto, capaz de dar livre acesso a medicamento que no Ocidente salvavam as vidas de tantas pessoas HIV-positivas. O direito à terapia, um direito frequentemente violado e desconsiderado, foi reconhecido em Moçambique antes que em muitos outros países do continente. Desde então, o programa DREAM se espalhou por todo o país: mães e crianças livres da SIDA são hoje um sinal de esperança e de ressurreição.

Sant'Egidio permaneceu perto de Moçambique em todos estes anos, para vencer, após a guerra, também a paz. Uma geração que não conheceu a guerra cresceu nas Escolas da Paz que Sant'Egidio abriu em dezenas de cidades. Um vasto movimento de Jovens pela Paz espalhou-se pelas escolas e pelas universidades, propagando uma cultura da solidariedade e da gratuidade, premissas para uma sociedade pluralista e pacífica. Para além disso, através o programa BRAVO Sant'Egidio tem permitido a dezenas de milhares de crianças moçambicanas de ser registaadas no registo civil, arrebatando-as da invisibilidade e protegendo os seus direitos.

APROFUNDAMENTOS

O processo de Paz >>

As iniciativas de Sant'Egidio em Moçambique >>

SCARICA IN PDFEbook
A Paz. Como Moçambique saiu da guerra (Roberto Morozzo della Rocca)



Sant'Egidio e Moçambique, a história de uma paz - e de uma amizade - que hoje completa 26 anos
Sant'Egidio e Moçambique, a história de uma paz - e de uma amizade - que hoje completa 26 anos
Sant'Egidio e Moçambique, a história de uma paz - e de uma amizade - que hoje completa 26 anos
Sant'Egidio e Moçambique, a história de uma paz - e de uma amizade - que hoje completa 26 anos
Sant'Egidio e Moçambique, a história de uma paz - e de uma amizade - que hoje completa 26 anos