news

"Papa Bergoglio? É aquele que nunca pára" Entrevista com Andrea Riccardi no "Il mio Papa"

13 Fevereiro 2020

Andrea RiccardiPope FrancisBergoglio

Compartilhe Em

Andrea Riccardi e Papa Francesco conheceram-se no início de 2000, quando Bergoglio ainda era bispo de Buenos Aires

O Papa Francisco é assim: «um homem capaz de se interessar e se envolver nos principais problemas do mundo, por exemplo, o destino do atormentado Sudão do Sul, um país africano comprometido em sair de um conflito devastador, como nas situações dos indivíduos, dos sem-abrigo que ao perder o emprego perdem também a casa. Mas também do idoso que trabalhou toda uma vida e agora tem dificuldade em viver com uma pensão indigna ou da mulher migrante que tenta, com a força que somente uma mãe pode ter, de pôr em salvo o seu filho e entregá-lo a futuro melhor». Andrea Riccardi nasceu em Roma em 1950. Intelectual, professor universitário e autor de muitos livros, é o fundador da Comunidade de Sant'Egidio (1968). O professor abre-se para um sorriso espontâneo quando falamos com ele sobre o papa Francisco. Não apenas porque conhece Bergoglio desde os dias em que era arcebispo na Argentina. Mas, acima de tudo, porque desde que ele é Papa, a colaboração entre eles, quase como a que poderia nascer entre dois velhos amigos que se reencontram, se intensificou a ponto de Bergoglio confiar em Sant'Egidio para as grandes acções diplomáticas no terreno, assim mesmo a relativa ao Sudão do Sul, e também para o gestão de obras de caridade, sem precedentes em Roma, como foi a inauguração em Novembro do ano passado de uma casa de recepção no Palácio Migliori, um edifício histórico do século XIX com vistas deslumbrantes da Colunata de São Pedro. Sem mencionar a empresa dos corredores humanitários, graças aos quais Sant'Egidio trouxe mais de 2800 pessoas para a Europa em segurança desde Fevereiro de 2016 até hoje, ajudando-os a se integrar. "Ele é um homem capaz de se envolver nos grandes problemas do mundo e nas situações dos indivíduos"

Como surgiu o seu relacionamento com o Papa?
«Conhocemo-nos no início dos anos 2000, eu o encontrei em Roma, em Santa Maria em Trastevere, e depois o encontrei outras vezes na Argentina. Tinham-mo descrito como alguém que andava pela cidade, que ia às periferias juntamente com os membros da Comunidade de Santo Egídio.»

E que sensação teve?
«O meu primeiro encontro com ele foi de grande impressão, percebi um homem que não se tinha resignado, que tinha um olhar amplo sobre o futuro». Supõe-se que um bispo idoso tenha quase apenas a sua pensão em mente. «No seu caso, não. Olhem, Francesco não viajou muito pelo mundo, mas é como se o tivesse amadurecido naquela megalópole que é Buenos Aires. Lá ele tornou-se um homem sem fronteiras.  É bem adequada para ele a frase de João Paulo II quando disse que "não há outra fronteira senão a da caridade"».

E o vosso relacionamento pessoal como se desenvolveu?
«Sempre tive fortes encontros com ele. Tive uma óptima impressão quando ele foi eleito Papa, fiquei muito feliz e imediatamente escrevi um livro, A Surpresa do Papa Francisco. Eu pensei que a mensagem daquela eleição fosse uma resposta à crise da Igreja. Naquela época, eu encontrei-o em São João de Latrão, na tomada de posse do papado e ele me disse: "Deves orar por mim", mas num tom que significava, não como fizeste até agora, isto é, antes de me tornar Papa ».

Então você é um grande apoiador de Francisco. Há, porém, quem o ataca.
«Olhe, repito o mesmo pensamento: Bergoglio é a resposta para a crise da Igreja. Os problemas que vemos agora vêm de longe. Mas ele é a resposta porque colocou a fé no centro. No domingo, 26 de Janeiro, por sua iniciativa, pela primeira vez, foi celebrada a festa da Palavra de Deus. Acho-a uma ideia brilhante, afinal o Corpus Domini é a festa da Eucaristia. Esta festa marca a devoção à Palavra de Deus».

E o que mais?
«O outro aspecto pelo qual digo que ele é uma surpresa é porque trouxe os pobres deste mundo e os pobres do mundo em guerra para o centro das atenções. O cristianismo ensina que não nos podemos salvar sozinhos, não nos podemos salvar sem ajudar os outros. E este papa também ultrapassou as fronteiras entre religiões».

Porque é que nem todos gostam de um papa como este?
«Outro inimigo deste papa é a preguiça. A preguiça dos cristãos. E há até quem diz que o Papa Francisco fala demais sobre os migrantes e se esquece dos europeus. Mas, como estudioso da história dos Papas, digo que, nessa questão, Francisco não é mais avançado do que os seus antecessores: não exageremos, portanto, sobre a novidade radical do discurso do Papa sobre os migrantes; é a nossa sensibilidade que mudou».

Você já falou sobre isso a sós?
«Ele disse-me muitas vezes, em algumas conversas particulares, de sentir a Europa como uma avó e que a Europa não pode viver fechada em si mesma. Então eu debati muito com ele sobre a questão dos corredores humanitários. Também contei a ele a terrível situação que eu vira no centro de refugiados em Lesbos, quase um campo de detenção. Foi assim que juntos conseguimos transferir cerca de quarenta pessoas de lá. Ao descrever-lhe as situações de que fui testemunha, vi os olhos do papa encher-se de lágrimas (depois dessas palavras, o papa Francisco quis fortemente visitar a ilha de Lesbos em Abril de 2016 e trabalhou para melhorar as condições dos refugiados, nota do editor)».

E ele não quis parar apenas com o corredor de Lesbos.
«Não. Ele disse-me: "O que mais podemos fazer?" Assim nasceu um corredor humanitário da Etiópia, e depois outros. Uma coisa deve ser entendida sobre os migrantes: o Papa Francisco não tem medo deles, eles vêm para renovar a sociedade. O discurso dele também é realista, porque o declínio demográfico do nosso país é visível para todos».

Vamos falar sobre o Plácio Migliori. Vós de Sant'Egidlo já gerem vários dormitórios na capital, mas pela primeira vez Francisco quis que um edifício romano histórico, com vista para a Colunata de Bernini, fosse disponibilizado aos sem-abrigo. A Comunidade de Sant'Egidio cuida da gestão. Os pobres têm acesso a um tipo de residência de luxo da qual podem ver a Colunata de Bernini e a Praça de São Pedro.
«É verdade, este Palácio tem um significado particular. Lá moravam algumas freiras que deixaram esses espaços e, com muita simplicidade, surgiu a ideia de dizer: porque não darmos esse belo espaço para quem não tem lugar para dormir? Quer ser mais um pórtico de São Pedro, um pórtico de hospitalidade, porque ao lado de uma igreja sempre deve haver outra casa, um lar para os desabrigados, é só desse jeito que podemos viver uma cidade mais humana».

Para você Francesco parece a quintessência do optimismo.
«De onde venha esta esperança de um homem de 83 anos que nunca se resignou, não sei. Há algo de jovem nele, algo que conheci há vinte anos e que vejo multiplicado todas as vezes que tenho a oportunidade de conversar novamente com ele. É uma força misturada com compaixão. Para mim, é o impulso que o levou a se ajoelhar diante dos líderes das facções em conflito no Sudão do Sul que reunimos em Roma para negociar. Com esse gesto, ele abriu um caminho para nós e agora a negociação foi retomada. Esperamos realmente escrever a palavra paz de uma vez por todas»

[ Nina Fabrizio ]