news

Sudão do Sul: o acordo político de Juba, após a "declaração de Roma", incentiva a prosseguir a mediação pela paz

21 Fevereiro 2020 - JUBA, SUDÃO DO SUL

Satisfação da delegação de Sant'Egidio presente em Juba

Compartilhe Em

ant'Egidio - presente nestes dias, com uma sua delegação no Sudão do Sul - acolhe favoravelmente o acordo entre o presidente, Salva Kiir Mayardit, e o líder da oposição, Riek Machar, que abre o caminho para a formação de um governo de unidade nacional há muito aguardado, e considera encorajador continuar com ainda mais convicção o papel de mediador, desempenhado já há algum tempo pela Comunidade, para alcançar a paz neste país, após anos dolorosos de guerra civil.
"É - explica Paolo Impagliazzo - uma peça importante para apoiar o caminho da paz e da cessação definitiva das hostilidades, decidida por todas as partes em combate reunidas em Roma em Janeiro passado".
Mesmo em Sant'Egidio, graças à mediação da Comunidade, foi assinada em 13 de Janeiro passado a "Declaração de Roma", à qual se juntaram grupos da oposição que permaneceram fora dos acordos de Adis Abeba de 2017, reunindo pela primeira vez todas as partes políticas do país.

O documento, resultado de um longo processo de mediação entre as partes, baseia-se em três pilares: o compromisso de acabar com as hostilidades; o compromisso de debater e avaliar - juntamente com Sant'Egidio - os mecanismos para resolver as as divergências; a garantia de que as organizações humanitárias possam operar no país em apoio à população civil. A Declaração foi assinada pelos membros da delegação do governo central do Sudão do Sul, pelos representantes dos movimentos de oposição do Sudão do Sul que não aderiram ao acordo de paz revitalizado de 2018 em Addis Abeba (Ssoma) e por aqueles das oposições signatárias do acordo.

Na declaração final também se tinha expressado o agradecimento ao que o Papa Francisco fizera com o seu apelo para deixar as diferenças de lado e buscar o que o une, ajoelhando-se diante dos líderes do país para implorar a paz.

Posteriormente, em meados de Fevereiro, teve lugar a primeira rodada de negociações após a Declaração de Roma ainda em Sant'Egidio. Cerca de cinquenta delegados participaram das negociações, representando o governo do país africano, todas as forças políticas da oposição (SSOMA, SPLM / IO, NDM, OPP, FDS) e alguns observadores internacionais, incluindo IGAD, as Nações Unidas e a União Européia. A reunião, realizada graças à mediação de Sant'Egidio, estabeleceu a entrada do SSOMA, um acrônimo que reúne todos os movimentos de oposição que não aderiram ao acordo de paz de Adis Abeba em setembro de 2018, no mecanismo de verificação e monitoramento de cessar-fogo.
As negociações continuarão nas próximas semanas sobre a governança e as principais causas do conflito; a próxima rodada será dedicada ao encontro entre os chefes militares, que terão de operacionalizar as decisões tomadas no cessar-fogo e ocorrerá em Março. Mesmo para incentivar as próximas reuniões entre as partes - que sempre acontecerão em Roma -, uma delegação da Comunidade de Sant’Egidio está presente nestes dias em Juba.