news

Face ao Evangelho. O ponto de viragem do Papa Bergoglio. Um editorial de Andrea Riccardi no Corriere della Sera

1 Junho 2020

Andrea RiccardiPope Francis

Compartilhe Em

A mensagem de Francisco. Uma vez falava-se de alternância entre pontífices religiosos e políticos. A distinção não se pode manter hoje, como aliás talvez nunca.

 

Durante as semanas de coronavírus, o Papa Francisco ganhou novo realce,nem que fosse pela transmissão diária da missa que, só no TG1, reuniu um milhão e meio de ouvintes. Passaram-se sete anos desde a eleição de um Papa que "vem do fim do mundo": um ponto de viragem numa Igreja afectada pelo trauma da renúncia de Bento XVI, motivada por um forte sentido de responsabilidade mais do que por graves problemas de saúde. Em 1978, houve o ponto de viragem da eleição do Papa "estrangeiro", oriundo do mundo comunista. Na realidade Wojtyla, por apenas dois anos, não nasceu como um súbdito dos Habsburgos, como Pio X e Pio XI (e os Lombardos Roncalli e Montini vieram, anos mais tarde, de terras antes dos Habsburgos). Ratzinger também não estava longe do coração do catolicismo da Europa Central. Os Papas europeus estiveram convencidos do papel religioso do Continente para a Igreja no mundo. Mas também do papel político: Pio XII favoreceu a integração europeia, incluindo os protestantes, ultrapassando a Europa latino-católica; Wojtyla fez da unidade europeia o seu horizonte .

Com Bergoglio, há um salto no papado.Os comentadores tiveram dificuldade em colocar Francisco no panorama católico. Existe por vezes um incómodo generalizado, bastante irracional, face a uma figura que se afasta da continuidade na gestão do poder político dos Papas, especialmente nos aspectos externos e protocolares. Mesmo os seus antecessores, depois do Vaticano II, avançaram nessa direcção, embora a um ritmo diferente. É uma tensão antiga, tanto que Bernardo de Claraval criticou Eugénio III, Papa em 1145: "parece que você não sucedeu a Pedro, mas a Constantino". Para o teólogo conciliar, Padre Chenu, o "fim da era Constantina" tinha vindo com uma Igreja missionária, amiga dos pobres, na qual «vive o Evangelho mais do que a lei ou a filosofia.

Francisco, com toda a simplicidade, apresenta-se como sacerdote e bispo. Ele é marcado pela história argentina e pela formação jesuíta. Ele foi o protagonista do documento de Aparecida, com o qual os bispos latino-americanos relançaram a Igreja no Continente. Especialmente marcante é o evangelismo que vibra nele, com o apelo à conversão, imbuído da Escritura. Quem o escuta, percebe um Evangelho vivo, mais do que ideologia ou visão do mundo.

Isto cria obviamente simpatias e antipatias. Constante é a insistência nos pobres: a Igreja dos Pobres do Vaticano II vivida em contacto com os feridos da vida, mas também combinando a mística do pobre (evangélica) e o compromisso social com uma vibração muito diferente da prática institucional das grandes organizações católicas de assistência. Migrantes e refugiados, a que o Papa se refere frequentemente, são um tema difícil para os sectores nacional-católicos. A leitura da Exsul Família de Pio XII sobre os migrantes (1952) surpreende-me.Pacelli afirma um claro "direito a um espaço vital" da família migrante: é mais radical do que Francisco, mesmo que numa situação diferente.  Bergoglio, como posição social, coloca-se numa "terceira" postura, estranha às sugestões marxistas, mas crítica ao capitalismo global. Em 1981, o próprio João Paulo II confiou a Andreotti que para a futura Polónia pensava: "nem capitalismo nem marxismo". Para a URSS pós-89, desaconselhava o nivelamento com o capitalismo.

Como é que o Bergoglio olha para a Europa?A este respeito, Ferruccio de Bortoli interrogou-o na primeira entrevista. Não evoco os vários discursos oficiais, mas apenas a última operação de pressão, feita por ele, no tempo do Covid-19 (que culminou no apelo da Páscoa), para uma UE solidária com o Sul, que tem o ponto de força na sua relação com Angela Merkel, sensível ao pensamento do Papa.
No que diz respeito ao governo do primeiro papa global num mundo fragmentado, as fusões e os ajustamentos não criaram uma nova arquitectura de instituições. O centralismo romano, lamentado por várias Igrejas locais, moderou-se, mas o governo romano continua a ser um ponto de coesão. O Papa, acessível a muitos, governa num estilo que a alguns lembra em alguma coisa o propósito geral, ao qual imediatamente faz parte a acção da Companhia de Jesus. Na realidade, tal como a sociedade global, a Igreja está a passar por uma transição incerta: as instituições de amanhã não estão já a emergir .

Entretanto, o Papa põe no centro a atitude de se colocar  de forma pessoal e eclesial face ao Evangelho. E, seguindo este caminho, ele se posiciona como um líder mundial e espiritual de autoridade. Uma vez falava-se de alternância entre papas religiosos e papas políticos. Bergoglio, Papa religioso ou político? Esta distinção não se pode manter hoje, como aliás talvez nunca.

 
[ Andrea Riccardi ]