news

Há 30 anos, em Sant'Egidio começavam as negociações de paz para Moçambique. No primeiro comunicado, a escolha do caminho do diálogo

10 Julho 2020

Peace
Mozambique

Compartilhe Em

A 10 de Julho de 1990, há exactamente trinta anos, no final de dois dias de conversações em Sant'Egidio, as delegações do governo moçambicano e da Renamo publicaram o primeiro comunicado conjunto no qual "reconhecendo-se compatriotas e membros da grande família moçambicana" manifestaram "interesse e vontade de tudo fazerem para levarem a cabo um processo constructivo de busca de uma paz duradoura para o seu país e para o seu povo" e delineavam o "método" que guiaria as negociações até à assinatura da paz a 4 de Outubro de 1992:

"pôr de lado aquilo que as divide e concentrar, com prioridade, a atenção naquilo que as une, com vista a criarem uma base comum de trabalho para, no espírito de compreensão e entendimento mútuos, realizarem um diálogo no qual debatam os diferentes pontos de vista"

O documento, assinado por Andrea Riccardi e Matteo Zuppi, da Comunidade de Sant'Egidio, por Dom Jaime Gonçalves, Arcebispo da Beira, e por Mário Raffaelli para o governo italiano, juntamente com os dois representantes moçambicanos, Armando Emilio Guebuza, para a FreLiMo, e Raul Manuel Domingos para a ReNaMo, abre as negociações que durante dois anos os viram trabalhar intensamente para a pacificação do país.

Com a paz começou para Moçambique uma nova época de desenvolvimento económico e social, mas também de desafios tais como a luta contra a SIDA. Uma história que sempre viu a Comunidade de Sant'Egidio ao lado do povo moçambicano para enfrentar os seus desafios. Hoje, numa altura em que novas ameaças de violência estão a crescer no norte do país, é importante mais do que nunca recordar o processo de pacificação que começou há 30 anos, e o valor daquele "método" que tornou possível encontrar os caminhos da unidade e restaurar a paz no país.

DOSSIER

A Paz em Moçambique em 1992

Moçambique e a Comunidade de Sant'Egidio
(agg. 2019)

O LIVRO

Mozambico dalla guerra alla pace (R.Morozzo della Rocca)

O TEXTO DO PRIMEIRO COMUNICADO CONJUNTO

Teve lugar em Roma, na sede da Comunidade de Sant'Egidio, de 8 a 10 de Julho de 1990, um encontro directo entre uma delegação do Governo da República Popular de Moçambique, chefiada pelo Senhor Armando Emílio Guebuza, Ministro dos Transportes e Comunicações, e uma delegação da RENAMO, chefiada pelo Senhor Raul Manuel Domingos, Chefe do Departamento das Relações Exteriores.

Presentes no encontro,
na qualidade de observadores, estavam o Senhor Mario Raffaelli, representante do Governo da República Italiana, o prof. Andrea Riccardi e don Matteo Zuppi, ambos da Comunidade de Sant'Egidio, assim como dom Jaime Gonçalves, Arcebispo da Beira.

Ambas as delegações, reconhecendo-se como compatriotas e membros da grande família moçambicana, expressaram satisfação e agrado por este encontro directo, aberto e franco, o primeiro a ter lugar entre as duas partes.

As duas delegações manifestaram interesse e vontade
de tudo fazerem para levarem a cabo um processo constructivo de busca de uma paz duradoura para o seu país e para o seu povo.

Tendo em consideração os superiores interesses da nação moçambicana, as duas partes concordaram que é necessário que se ponha de lado aquilo que as divide e que se concentre, com prioridade, a atenção naquilo que as une,
com vista a criarem uma base comum de trabalho para, no espírito de compreensão e entendimento mútuos, realizarem um diálogo no qual debatam os diferentes pontos de vista.

As duas delegações afirmaram estar prontas a empenhar-se profundamente e no espírito de respeito e compreensão mútuos, na busca de uma plataforma de trabalho para pôr fim à guerra, e criar condições políticas, económicas e sociais que permitam trazer uma paz duradoura e normalizar a vida de todos os cidadãos moçambicanos.

No termo da reunião, as duas delegações decidiram voltar a encontrar-se oportunamente em Roma, na presença dos mesmos observadores. Elas expressaram satisfação e gratidão pelo espírito de amizade e pela hospitalidade e apoio que lhes foram dispensados pelo Governo italiano e por todos aqueles que contribuíram para tornar possível
este encontro.

Feito as 10 de Julho de 1990, S.Egidio, Roma.

 

 



Há 30 anos, em Sant'Egidio começavam as negociações de paz para Moçambique. No primeiro comunicado, a escolha do caminho do diálogo
Há 30 anos, em Sant'Egidio começavam as negociações de paz para Moçambique. No primeiro comunicado, a escolha do caminho do diálogo
Há 30 anos, em Sant'Egidio começavam as negociações de paz para Moçambique. No primeiro comunicado, a escolha do caminho do diálogo