news

E agora, contágio de proximidade: ao lado dos idosos para uma sociedade diferente. Editorial de Marco Impagliazzo em Avvenire

12 Julho 2020

ELDERLYMarco Impagliazzo

Compartilhe Em

A pandemia do coronavírus continua a grassar além-mar, no subcontinente indiano, na Rússia. A questão de como preparar o mundo de amanhã está a tornar-se cada vez mais premente, pois como o Papa Francisco disse no Pentecostes «pior do que esta crise, há somente o drama de a desperdiçar».

Então, o que é que a crise tem de nos ensinar? O que deve varrer? Entre as muitas distorções do nosso mundo doente, e até ontem sem o saber, aparentemente assintomático, emerge com absoluta evidência a fragilidade social da população idosa, sobre a qual o tsunami Covid-19 se abateu com particular violência, uma vez que recentemente relatou o Istat «em Itália, quase 85% das mortes por coronavírus afectaram pessoas com mais de 70 anos, mais de 56% das pessoas acima dos 80 anos».

Uma geração tem sido alvo. Pagou o preço mais alto. Sofreu as consequências de uma combinação de fraqueza, solidão, descarte. O que lhe devemos é o compromisso de construir uma sociedade diferente, feita de solidariedade intergeracional, cuidando da saúde e da vida de cada um dos seus membros.

NNo Angelus da festa dos Apóstolos Pedro e Paulo, o Papa denunciou o sofrimento de «muitos idosos, que são deixados sozinhos pela sua família, como se fossem material descartável. E este é um drama do nosso tempo: a solidão dos idosos».

É isto que o pós-pandemia deve varrer, se queremos que aquilo por que passámos não tenha passado em vão, se não queremos que o nosso mundo caia na ilusão de uma saúde aparente que afasta aqueles que mais precisam de companhia, apoio, amizade.

Nestas mesmas colunas, a 3 de Julho último, Mauro Leonardi salientou a necessidade de «uma operação de cuidados generalizada. Cada condomínio, paróquia, zona residencial deve adoptar uma pessoa idosa. Trata-se de fazer alguns telefonemas, fazer compras, fazer um pouco de companhia, ouvir, contar histórias». Associo-me a estas palavras e permito-me lançar um apelo semelhante. Porque a solidão é cada vez mais o mal do nosso tempo, porque está destinada a sobrecarregar a vida dos menos auto-suficientes muito para além do fim da pandemia, porque finalmente já conhecemos uma vacina e uma cura para ela. A vacina somos nós, se soubermos trabalhar para remendar a trama dilacerada entre gerações;a cura são as nossas palavras, as nossas mãos, se optarmos por dar tempo e atenção àqueles que estão mais avançados nos anos.

Face a um vírus que tem afectado a socialidade dos povos e dos indivíduos,
o que obrigou primeiro ao confinamento e depois ao afastamento físico, é necessário responder com um contágio igual e oposto composto de uniformidade de destino e sensibilidade,de interdependência de caminhos e objectivos. Erguendo-se do pesadelo de terapias intensivas sobrecarregadas em que se arriscava a escolher entre quem poderia viver e quem deveria morrer, é necessário fazer de cada um de nós "hospitais de campo", homens e mulheres capazes de administrar a terapia que salva, a da memória, da solicitude, da proximidade, do encontro. Porque a história destes meses, escreveu o Cardeal Matteo Zuppi, «obriga-nos, para além da nossa lentidão, hábitos e preguiça, a ir para as periferias», também nas da vida, naquela fronteira extrema da existência que todos esperamos alcançar e que todos esperamos seja plena, rica, vivível, como cada estação da história humana. Se a pandemia nos abalar ao ponto de nos tornarmos conscientes de que estamos realmente «no mesmo barco» e que estar ao lado dos idosos permite de nos salvar «todos juntos» e toda inteira a nossa humanidade, este drama não terá passado em vão, e seremos melhores e mais fortes ao longo deste «momento decisivo da história» que estamos a atravessar.
[ Impagliazzo Marco ]