news

75 anos após a bomba atómica em Hiroshima. Aquela corrida louca que deve ser interrompida

6 Agosto 2020

Peace
Marco Impagliazzo

Reflexão de Marco Impagliazzo em Avvenire

Compartilhe Em

A 6 de Agosto de 1945, há setenta e cinco anos, uma bomba atómica explodiu em Hiroshima. Três dias mais tarde, a mesma tragédia foi repetida em Nagasaki.Dezenas de milhares de pessoas eliminadas num instante, para não mencionar quantas teriam de suportar a dor e a morte nos dias e anos seguintes, carregando «nos seus corpos», como o Papa Francisco recordou na sua viagem ao Japão, «germes de morte que continuavam a consumir a energia vital deles». Enquanto somos confrontados com outro germe de morte, o vírus microscópico que perturbou a vida do planeta, é bom não esquecer as outras ameaças à humanidade, incluindo a nuclear, que aumentaram à medida que o número de nações capazes de replicar esses primeiros bombardeamentos aumentou e esses instrumentos de morte aperfeiçoaram-se e multiplicaram-se. No passado dia 24 de Novembro, no Hiroshima Peace Memorial, o Papa disse: «Não podemos permitir que as gerações actuais e novas percam a memória do que aconteceu, aquela memória que é uma garantia e um estímulo para construir um futuro mais justo e fraterno; uma memória viva que ajuda a dizer de geração em geração: nunca mais!». Este 75º aniversário deve tornar-se um alerta e um compromisso, força e iniciativa, e um olhar clarividente sobre o futuro. Várias vezes nestes meses apercebemo-nos de como era enganoso considerarmo-nos «saudáveis num mundo doente». Ora bem, um mundo cheio de arsenais nucleares está realmente doente e a subestimação do perigo é o sinal de uma saúde ilusória. Com o fim da Guerra Fria não nos livrámos do risco de um Apocalipse atómico: depois de muito reduzidas, as armas nucleares começaram a aumentar novamente. A desordem global de um mundo sem centros, o egoísmo de alguns, a distracção e o narcisismo de muitos, a resistência das redes terroristas, a acentuação das rivalidades nacionalistas advertem-nos que não estamos imunes e que a catástrofe ainda paire sobre a nossa geração. «Estamos a assistir a uma erosão do multilateralismo, ainda mais grave face ao desenvolvimento de novas tecnologias de armamento; esta abordagem parece bastante inconsistente no contexto actual marcado pela interligação e constitui uma situação que requer atenção e dedicação urgentes por parte de todos os líderes», advertiu o Papa em Nagasaki. No nosso planeta hoje em dia, é fácil começar uma guerra. Difícil é levá-la a uma conclusão. Num contexto fragmentado, quem garante que entre todos os actores de guerra no terreno teremos sempre aquele controle que, felizmente para nós, os EUA e a URSS tiveram no século passado? A memória do que aconteceu há 75 anos leva-nos a ficarmos preocupados com o hoje e o amanhã. Instituições supranacionais, governos, opinião pública: é um dever que todos parem para recordar. Agir para evitar o impensável, procurando um ponto de encontro já não baseado no medo mas no interesse comum. O equilíbrio do terror é um fio que corre o risco de ser quebrado todos os dias. trama do diálogo traz a esperança da humanidade de volta todos os dias. A ascensão da era atómica não foi apenas uma ruptura epocal para as relações internacionais e para a história das guerras. Representou também um ponto de viragem em termos de cultura e mentalidade. Com a era atómica, a humanidade enfrentou a responsabilidade da destruição mútua total. Após décadas de delicado equilíbrio de terror, mergulhámos no desequilíbrio do terrorismo. Por um lado, o perigo tornou-se mais próximo e mais imprevisível; por outro, fez-nos esquecer que cada guerra pode ser a última. Hoje é necessário um ponto de viragem: uma consciência mais madura e responsável, consciente do enorme poder da morte mas também da vida de que a humanidade é dotada. A guerra, e especialmente a guerra nuclear, representa a negação da responsabilidade humana e ambiental que liga os destinos da natureza, de cada ser vivo e dos seres humanos. Em relação a esta deriva, 122 Estados disseram sim ao Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares negociado na ONU. É uma questão de ligar firmemente este compromisso ao da justiça ambiental e social, com vista a uma verdadeira cultura de paz que mude corações e mentes. A Igreja, «especialista em humanidade», continua a relançar aquele «nunca mais a guerra» que Paulo VI, que recordamos hoje no dia da sua morte, expressou com grande força, em 1965, no primeiro discurso histórico de um Papa à Assembleia Geral das Nações Unidas.


[ Marco Impagliazzo ]