news

Em Bihac, entre os refugiados da rota dos Balcãs, com uma delegação da Comunidade de Pádua

25 Janeiro 2021 - BIHAĆ, BÓSNIA E HERZEGOVINA

refugeesRefugees

Compartilhe Em

Uma delegação da Comunidade de Sant'Egidio de Pádua partiu nestes dias para uma missão na Bósnia, na cidade de Bihac, no cantão de Una-Sana.

Há muitos migrantes nesta região do país, particularmente do Paquistão, Afeganistão e Bangladesh. São na sua maioria homens jovens que, seguindo a rota dos Balcãs, conseguem atravessar a fronteira turca ou grega para chegar à Europa e ficam bloqueados na Bósnia na fronteira com a Croácia.
Nos centros de acolhimento temporário existem também famílias com crianças e menores não acompanhados. Os maiores centros são 4, geridos pela OIM: Borici em Bihac e Sedra em Cazin que acolhem famílias e menores (cerca de 700), Miral em Valika Kladusa (700) e Lipa a sul de Bihac (800) onde são acolhidos homens sozinhos. Formalmente, há cerca de 2.200 pessoas nos campos, embora provavelmente haja muito mais. Mas também há muitos migrantes que vivem na floresta em abrigos improvisados, palhotas e cabanas, ou dentro de edifícios abandonados, tais como fábricas ou estaleiros de construção. Parece ser pelo menos 3,500-4,000 pessoas.
O campo de Lipa foi aberto este Verão após o encerramento do centro de Bira em Bihac, dentro de uma fábrica, devido à tensão com os residentes locais. A crise humanitária em Lipa começou em 23 de Dezembro com as temperaturas frias. O acampamento ardeu em seguida por um incêndio. Os migrantes que ali estavam alojados, cerca de 1500, permaneceram durante dias na floresta, na neve, sem qualquer tipo de ajuda.
Há alguns dias o governo reabriu o sítio com algumas tendas militares aquecidas, acolhendo cerca de 7-800 migrantes. Neste momento, não são permitidas visitas ao campo por pessoas de fora. No entanto, fomos até Lipa ao longo da estrada de terra batida que conduz ao assentamento. Parámos perto de uma pequena igreja na colina, em frente aos contentores e às tendas.
Aqui encontrámos pequenos grupos de migrantes, na sua maioria paquistaneses, que caminhavam para obter alguma comida oferecida por um residente local.

Os jovens migrantes falaram-nos das suas tentativas de atravessar a fronteira, "the game", como lhe chamam. Demos a alguns deles cachecóis, luvas, meias de lã e uma tocha que guardaram para o próximo "game". Muitos deles nos repetiram o sonho de vir a Itália mais cedo ou mais tarde, dizendo que tentariam e tentariam novamente.

Com eles fomos ao encontro de Dragan (não o seu verdadeiro nome), um muçulmano que uma vez por semana distribui sacos de comida, especialmente vegetais e outros bens. Disse-nos que tem contactos com associações alemãs e suíças que o apoiam financeiramente para esta ajuda. Construiu ali uma pequena casa de madeira onde vive perto das ruínas da sua casa paterna, destruída pela guerra.  Era muito gentil, atento a cada migrante que vinha à sua tenda. Para além da comida, quando a tem, também distribui roupa e cobertores.

Finalmente, fomos para as margens do rio Una, onde 140-150 outros migrantes, na sua maioria afegãos, vivem em alguns edifícios que antes da guerra deveriam ter albergado um lar de idosos, agora abandonado. Eles estão à espera que a neve derreta para poderem sair e tentar "the game" novamente. Fazem-no em grandes grupos de 50 pessoas, para que, se alguns forem detidos pela polícia, outros possam passar. Eles não parecem perder a esperança, apesar das dificuldades destas incríveis viagens.
O JRS distribui alimentos e ajuda aos migrantes fora dos campos que estão escondidos na floresta.

Sostieni i Corridoi umanitari
 



Em Bihac, entre os refugiados da rota dos Balcãs, com uma delegação da Comunidade de Pádua
Em Bihac, entre os refugiados da rota dos Balcãs, com uma delegação da Comunidade de Pádua
Em Bihac, entre os refugiados da rota dos Balcãs, com uma delegação da Comunidade de Pádua
Em Bihac, entre os refugiados da rota dos Balcãs, com uma delegação da Comunidade de Pádua
Em Bihac, entre os refugiados da rota dos Balcãs, com uma delegação da Comunidade de Pádua