news

Lugares de Deus e paz, não campos de batalha. Um editorial de Marco Impagliazzo sobre os ataques a sinagogas, igrejas e mesquitas. Em Israel e noutros lugares

13 Maio 2021

Marco ImpagliazzoInterfaith dialogue

em Avvenire

Compartilhe Em

Um novo conflito entre Israel e os palestinianos, que começou com os motins na Esplanada do Templo em Jerusalém, em frente das mesquitas de al Aqsa e da Cúpula do Rochedo? Inaceitável, de facto. Lugares sagrados e todos os lugares sagrados dedicados à oração: sejam sinagogas, igrejas ou mesquitas devem ser poupados ao conflito, sempre. Demasiadas vezes nas últimas décadas temos infelizmente testemunhado repetidos ataques a sinagogas, mesmo na Europa, a devastação de cemitérios judeus, bem como a devastação de igrejas no Iraque e em África às mãos de jihadistas e, ao mesmo tempo, a destruição de mesquitas, como em Sarajevo durante a guerra ou novamente no Iraque ou na Índia. Em todas as partes do mundo, os ataques terroristas feriram os locais onde homens e mulheres rezam. São lugares onde as pessoas procuram, no fundo, uma forma de paz e consolo num mundo onde a manipulação da religião é agora uma ocorrência diária. O regresso violento do confronto entre Gaza e Israel, numa incerteza política que torna a coabitação mais frágil, corre o risco de incendiar outras áreas da zona que, até agora, tinham permanecido calmas mesmo durante os momentos mais duros de confronto. Infelizmente, está também a afectar lugares religiosos que normalmente nunca estiveram envolvidos, como a sinagoga de Lod, que foi atacada e incendiada ontem. Isto deve ser rejeitado a todo o custo: os sentimentos religiosos das pessoas não podem ser espezinhados por causa de um conflito que - já o sabemos muito bem.

Durante décadas - é tudo político. Os sentimentos religiosos podem ser uma reserva de esperança, para além da política. De facto, as pessoas e os povos não são feitos apenas de necessidades e interesses materiais, nem são mantidos juntos apenas por colas ideológicas ou patrióticas ou por paixões políticas: são também habitados por sentimentos religiosos profundos e comuns que estão enraizados em séculos - por vezes milénios - de fé e cultura. O apoio a uma causa, como a palestiniana neste caso, não pode tornar-se a demonização de Israel e dos judeus. É um curto-circuito que se tem vindo a repetir há anos com consequências trágicas. É evidente que para o judaísmo a existência de Israel é um facto decisivo, mas a partir disto não se pode envolver todos os judeus nas escolhas políticas diárias de um governo. A existência de Israel é importante não só para os judeus, mas também para o mundo. No mundo árabe, após a Segunda Guerra Mundial, houve o desaparecimento da presença judaica, que tinha alcançado uma simbiose com a cultura árabe islâmica desde Marrocos dos santos comuns, até ao Egipto dos muito antigos colonatos judeus, embora não tenha faltado tensões e expressões anti-israelitas ao longo do tempo. O fim da simbiose judaico-muçulmana foi uma agitação cultural de não pequena consequência, como é agora a emigração cristã e árabe-cristã para o Ocidente a partir dos Estados muçulmanos. Numa camada antiga, o anti-semitismo de marca ocidental, a oposição a Israel, e a questão palestiniana provocam uma forte mistura de ódio. No Documento sobre a Fraternidade Humana assinado pelo Papa Francisco e pelo grande Iman al Tayyeb está escrito: "A protecção dos lugares de culto (...) é um dever garantido pelas religiões, valores humanos, leis e convenções internacionais. Qualquer tentativa de atacar locais de culto ou ameaçá-los (...) é um desvio aos ensinamentos das religiões". Um mundo sem sinagogas, igrejas e mesquitas não seria um mundo melhor, mas um mundo mais árido e com menos esperança. É tempo de parar de envolver lugares religiosos e de oração nos conflitos, para que a alma da humanidade e a paz que eles representam seja preservada. A coabitação, a convivência, não é apenas algo a ser suportado como uma fatalidade: é também o penhor de uma sociedade mais democrática.


As tentações de uniformizar são perigosas para cada sociedade: a busca do inimigo deslumbra e acabamos por nos dividir sem fim. Actualmente, a opção necessária é encorajar o diálogo a todos os níveis, incluindo o diálogo inter-religioso, para evitar a radicalização dos contrastes entre as pessoas e entre os povos. É o que esperamos que aconteça aos israelitas e palestinianos. Depois de tanto sofrimento, após as mortes destes dias, estamos cada vez mais convencidos de que um conflito que, através de várias fases, dura desde 1948, deve conduzir ao estabelecimento da paz. Utópico? Talvez, mas cada vez mais necessário.


[ Marco Impagliazzo ]