news

Paul Schneider, uma vida para o Evangelho na Alemanha nazi. A 18 de Julho de 1939, morreu no campo de Buchenwald. A sua história

18 Julho 2021

Martyrs

Compartilhe Em

A 18 de Julho de 1939, o pastor evangélico Paul Schneider morreu no campo de concentração nazi em Buchenwald.

"No Bunker onde estavam as celas escuras de isolamento, conheci o Pastor Schneider; ele estava na cela ao lado da minha. Todas as manhãs fazia uma oração matinal por nós prisioneiros, e por causa disso era sempre espancado e torturado [...]. No Domingo de Páscoa ouvimos de repente as poderosas palavras: "Assim diz o Senhor: Eu sou a ressurreição e a vida". A longa fila de prisioneiros permaneceu em alerta, profundamente perturbada pela coragem e energia dessa vontade indomável [...]. Ele nunca poderia proferir mais do que algumas frases. Depois ouvimos as varas dos guardas a bater-lhe...".

A memória de um companheiro de prisão mostra como Paul Schneider tinha dedicado a sua vida ao Evangelho até ao fim.

Uma carta que escreveu de Buchenwald, dirigida à sua família, é guardada no Santuário dos Novos Mártires na Basílica de São Bartolomeu, na Ilha Tiberina, em Roma.

A vida de Paul Schneider (do site sanbartolomeo.org)

 

Carta do pastor evangélico Paul Schneider à sua família, escrita no campo de concentração nazi em Buchenwald, onde morreu a 18 de Julho de 1939.

Em meados da década de 1920 Paul Schneider tornou-se pastor evangélico em duas pequenas cidades da Renânia. Devido ao seu trabalho pastoral, entrou em conflito com o chefe do ramo local do partido nazi. Paul Schneider tinha 33 anos, casado com Margarethe e tinha quatro filhos. A 8 de Outubro de 1933, após receber uma primeira queixa, escreveu: "No domingo passado preguei novamente em Romanos 1:16. Pois não tenho vergonha do Evangelho; pois é o poder de Deus para a salvação de todos os que acreditam; primeiro do judeu e depois do grego. Não creio que a nossa Igreja Evangélica poderá evitar um confronto com o Estado nazi, nem que poderá adiá-lo por muito mais tempo...". Em Fevereiro de 1934, depois de se ter pronunciado do púlpito contra Goebbels e a Deutsche Christen, uma associação cristã evangélica escravizada ao Führer, Paul Schneider foi transferido para as aldeias de Dickenstein e Womrath, no Hunsrück (500 fiéis no total). O seu rigor evangélico levou-o a apontar explicitamente o dedo a hierarquias superiores nazis e ao próprio Hitler. Durante estes anos ele defendeu publicamente os judeus, pregou, opôs-se à abolição das escolas denominacionais, fechadas pelo regime, e aplicou a penitência cristã de acordo com a tradição Reformada a um membro do Partido Nacional Socialista que estava a perturbar a vida das pequenas comunidades. Ele apoiou a Igreja Confessora. Foi preso pela primeira vez por se opor a um líder nazi local que tinha usado expressões paganizantes num funeral. Esta detenção foi seguida por outras até 1937. A companhia de Margarethe, com quem tinha acabado de ter o seu sexto filho, apoiou-o, partilhando com ele uma experiência de fé profunda. As páginas do seu diário estão cheias de amor terno pelos seus entes queridos. A 31 de Junho de 1937, foi levado pela Gestapo para a prisão de Koblenz durante oito semanas, no final das quais ficaria sujeito a um decreto de expulsão da Renânia. O seu incumprimento deliberado e escolhido do decreto, em obediência ao Evangelho e por amor às pequenas comunidades que lhe foram confiadas, levou à sua nova detenção e deportação para Buchenwald. Da sua última homilia, 50 dias antes da Páscoa: "Querida comunidade, hoje estamos de novo a passar por uma porta, a porta que nos conduz ao tempo santo da Paixão: o nosso amado Senhor e Salvador, de facto, quer levar-nos com ele e dizer-nos: "Eis que vamos subir a Jerusalém"... Para os discípulos e para a comunidade também... o caminho para a coroa só pode passar pela cruz... Um olhar sobre a Rússia deve ensinar-nos muitas coisas. Ali, qualquer tipo de organização eclesiástica oficial é desmembrada e desmantelada, os pastores desapareceram, os edifícios sagrados foram quase desmantelados. E no entanto a Igreja de Jesus Cristo está mais viva do que nunca... naqueles que se reúnem aqui e ali nas suas casas, em sacerdotes reduzidos ao estado laico, que nunca deixam de proclamar a Palavra, dispostos a aceitar os castigos a que estão sujeitos... E não vos deixeis enganar: pois não podeis participar na vitória e glória de Jesus, a menos que tomeis sobre vós, por causa dele, a santa cruz, caminhando com ele no caminho da Paixão e da morte. É por isso que a fé é necessária: porque é a fé que conhece o poder e a vitória da cruz. Esta fé é uma força escondida, silenciosa e quieta, mas não por esta razão é inactiva e inerte, e é activada na oração intensa e apaixonada". No Lager de Buchenwald onde morreu, Schneider foi sujeito a maus tratos e torturas particulares porque se recusou a prestar homenagem à cruz suástica e a Hitler. A partir de Abril de 1938, foi encarcerado em isolamento no Bunker do campo, onde passou os últimos catorze meses da sua vida. Do Bunker, porém, não cessou a sua pregação, denunciando crimes e confortando prisioneiros. Um companheiro de prisão recordou: "No Bunker onde as celas de isolamento eram escuras, conheci o Pastor Schneider; ele estava na cela ao lado da minha. Todas as manhãs ele fazia uma oração matinal por nós prisioneiros, e por causa disso ele era sempre espancado e torturado [...]. No Domingo de Páscoa ouvimos de repente as poderosas palavras: "Assim diz o Senhor: Eu sou a ressurreição e a vida". A longa fila de prisioneiros permaneceu em alerta, profundamente perturbada pela coragem e energia dessa vontade indomável [...]. Ele nunca poderia proferir mais do que algumas frases. Depois ouvimos as varas dos guardas a bater-lhe em cima...".

A 1 de Fevereiro de 2003, durante uma oração ecuménica em memória do pastor evangélico, à qual assistiu o Cardeal Walter Kasper, presidente do Conselho Pontifício para a Promoção da Unidade Cristã, o Rev. Ishmael Noko, secretário geral da Federação Luterana Mundial, o vice-presidente da Igreja Evangélica da Renânia, Nikolaus Schneider, a igreja de onde provinha o pastor morto no campo de concentração, e numerosos outros representantes ecuménicos, o filho do Pastor Schneider, acompanhado por outros membros da sua família, entregaram ao santuário dos mártires da fé uma carta autografada pelo seu pai da sua prisão em Buchenwald..