news

Agora já o sabemos: a guerra é inútil, temos de construir a paz. Editorial por Andrea Riccardi

3 Setembro 2021

Peace
Andrea Riccardi

Compartilhe Em

Os países ocidentais estão numa encruzilhada: fechar-se numa soberania assustada ou promover uma política realista que esteja aberta ao mundo

A 11 de Setembro de 2001, o século XXI começou. O ataque foi de uma violência sem precedentes. O mundo seguiu-o ao vivo, sentindo-se impotente face ao terrorismo suicida. Sentimo-nos envolvidos: «Somos todos americanos»", escreveu-se. Osama bin Laden desafiou os Estados Unidos para liderar o mundo muçulmano numa jihad contra o Ocidente.

À guerra declarada por um terrorista, houve uma resposta militar ocidental. Abriu-se um período belicoso contra o mundo muçulmano. Vendo agora os ocidentais e não poucos afegãos a sair de Cabul, pensei no fracasso de 20 anos de guerra: de confiança de que a guerra poderia resolver problemas e construir um mundo diferente! No Afeganistão desde 2001, depois no Iraque desde 2003 e em outros países, incluindo a vizinha Líbia.

Hoje apercebemo-nos de como era uma estratégia errada. Duas décadas passaram dum século que tinha terminado com a Guerra Fria, enquanto um tempo mais pacífico sob a bandeira da globalização parecia estar a abrir-se. No final, o terrorismo não venceu, mas fez sofrer as pessoas com os ataques, o Estado islâmico no Oriente Médio, a propagação para África e outros lugares. Também não ganhou no mundo islâmico, tanto assim que o grande Imã de al-Azhar, Al Tayyib, assinou com o Papa Francisco uma Declaração sobre a fraternidade humana, na qual muitos muçulmanos se reconhecem porque não querem que o Islão seja identificado com uma violência que mata em nome de Deus. O terrorismo, como vimos no aeroporto de Cabul, é uma barbaridade: sem sentido, sem coração, sem política. Não devemos ceder.  Em 20 anos, uma nova geração cresceu.

Aqueles de nós que estavam presentes no 11 de Setembro devem pensar no mundo de amanhã juntamente com os jovens, que serão os protagonistas deste novo século. Estou a pensar nos muitos jovens do Sul do mundo, onde são quase a maioria; nos jovens dos nossos países; naqueles que emigram de condições de vida desumanas. Temos de construir um mundo melhor. Mas com quem? Há vinte anos atrás os Estados Unidos e o Ocidente estavam numa posição de supremacia. Não é este o caso agora. A China, a Índia, a Rússia e a Turquia são actores importantes na cena internacional. A escolha será a de recuar para dentro das próprias fronteiras, para defender os próprios limites e o nosso modelo de vida?

Depois de Agosto de 2021 e da vitória dos Talibãs, estamos cada vez mais convencidos de que um mundo de paz deve ser construído. O caminho é complexo, mas precisamos dos países europeus, da nossa cultura e do nosso humanismo. Precisamos também de uma defesa europeia comum. Precisamos de verdadeiras alianças com aqueles que acreditam nestes valores. Vinte anos depois, não vamos repetir os mesmos erros: arrogantes, fomos para a guerra e, arrogantes e temerosos, estamos agora a construir muros. Alguns Estados europeus estão a fazê-lo para se defenderem contra os refugiados afegãos.

Estamos numa encruzilhada: ou nos fechamos numa soberania que é agressiva em palavras mas basicamente assustada e preguiçosa, ou fazemos uma política séria, democrática, realista e aberta ao mundo. A escolha é política, mas não só. Dependerá também da orientação da vida de cada pessoa. De facto, existe uma força irreprimível (e vencedora) de boa vontade e humanidade. O Papa Francisco afirma isto, falando de «artesanato de paz: cada pessoa pode ser um fermento eficaz com o seu estilo de vida quotidiano».

 

Editorial por Andrea Riccardi em Famiglia Cristiana de 5/9/2021