news

"A solidariedade é a nossa forma de responder à guerra". Andrea Riccardi em Varsóvia encontra as comunidades polacas e aqueles que tiveram de deixar a Ucrânia

14 Março 2022 - VARSÓVIA, POLÔNIA

Ukraine
PolandAndrea Riccardi

Compartilhe Em

Depois da visita à fronteira entre a Eslováquia e a Ucrânia, Andrea Riccardi foi para Varsóvia, onde foi criada a maior concentração de refugiados de zonas de guerra, 260.000 refugiados sobre um total de cerca de dois milhões que entraram na Polónia.
 
A estação central é de facto um ponto de trânsito para milhares de pessoas à espera de um lugar no circuito de acolhimento criado pelas instituições e pelas numerosas associações de voluntários activas nestes dias. Numerosos refugiados ucranianos estão também em trânsito para outras cidades polacas ou outros países europeus (Alemanha, Áustria, Suécia, para citar apenas alguns), à espera de uma ligação: os comboios são gratuitos, mas há longas esperas devido à multiplicação de passageiros.
Aqueles que não podem entrar nos comboios estão à espera na estação há vários dias. As pessoas de Sant'Egidio - incluindo muitos jovens que aderiram nos últimos dias - visitam a estação todos os dias para oferecer qualquer ajuda necessária, conhecem-nas bem. Entre elas encontram-se muitas famílias ciganas originárias da Ucrânia Oriental, que vivem em casas em Kiev há anos. Andrea Riccardi encontrou-os, expressando a amizade da Comunidade com estas pessoas, pobres entre os pobres.
 
Riccardi também visitou um dos centros de recepção na capital. Desde o início da guerra, a Comunidade tem vindo a encontrar-se com famílias ucranianas nestes centros, oferecendo-lhes alojamento mais estável em apartamentos disponibilizados por benfeitores ou alugados, mas também a possibilidade de ir para Itália e ser acolhida lá pelos muitos que se aproximaram da Comunidade nos últimos dias, oferecendo a disponibilidade das suas casas.
 
Um dos encontros mais comoventes foi com Nelly, uma mulher idosa a viver sozinha numa cidade perto da central nuclear de Zaporizhzhia, que foi fortemente bombardeada na semana passada. Ela teve dificuldade em entrar no abrigo porque tem problemas de pernas. A sua filha e a sua neta, que vivem em Bolonha, convenceram-na a partir, apesar do facto de estar sozinha e doente. Quando Nelly estava a perder a esperança, na fronteira polaca, graças a um contacto com a Comunidade de Roma, pessoas de Varsóvia encontraram-na na estação e levaram-na para a Casa delle Sorelle (das Irmãs), duas ex-mulheres sem-abrigo que tomam conta dela. Ela disse a Andrea Riccardi, que a conheceu pouco antes de partir para Itália, que ainda tinha os terríveis sons de sirenes e bombardeamentos nos ouvidos, mas que tinha encontrado anjos durante a sua viagem.
 
No final da visita, no domingo de manhã houve uma reunião da Comunidade da Polónia juntamente com os amigos das Comunidades de Sant'Egidio da Ucrânia, que tiveram de deixar o país e estão agora alojados em Varsóvia. "Um pequeno grande encontro europeu, que abraça espiritualmente o mundo inteiro", foi definido por Andrea Riccardi, que encorajou todos a responder com audácia, cuidado e maturidade aos novos desafios deste tempo de grande sofrimento, continuando a rezar e a trabalhar pela paz. "Solidariedade", disse ele, "é a nossa forma de responder à guerra".