news

É a morte da misericórdia. O assassinato do vendedor ambulante nigeriano é bárbaro, temos de parar a violência mas também a indiferença que abre o caminho para ela

30 Julho 2022

Não se trata de distinguir entre italianos e imigrantes, originários do norte ou do sul de Itália, mas da humanidade a ser preservada - Abster-se de linguagem violenta

Compartilhe Em

A Comunidade de Sant'Egidio estende as suas condolências à esposa e família de Alika, que foi barbaramente assassinado enquanto desempenhava o seu trabalho como vendedora de rua. As circunstâncias deste assassinato fazem-nos estremecer. A vítima, que tinha sido incapacitada desde um acidente de viação em Fevereiro de 2021, foi morta por golpes da muleta que utilizava para se sustentar. O episódio aconteceu às 14h30, numa rua normalmente cheia de gente, mesmo no centro de Civitanova Marche. Alguns até filmaram o que estava a acontecer, alguém gritou contra o agressor, ninguém interveio. Assim terminou a vida de um homem nigeriano com uma autorização de residência regular, casado, com um filho de oito anos de idade a frequentar a escola, que todos os dias viajava 50 quilómetros até à cidade onde podia receber algo em troca dos bens pobres que vendia.

Há quem tenha salientado que o agressor, que está sob custódia, embora residente na Província de Marche, é originário do sul de Itália, um esclarecimento que não pode ser mal interpretado: não se trata de culpar as origens de quem quer que seja, trata-se de condenar com a maior veemência um acto que é indicativo de desumanidade. Convidamos, de modo mais geral, o mundo da informação e aqueles que intervêm nas redes sociais a promover uma linguagem sempre respeitosa e nunca ofensiva para ninguém, e nunca a incitar à violência.

Mas o que aconteceu em Civitanova Marche é também um aviso para todo o nosso país: misericórdia para com os mais fracos, sobre os quais - juntamente com outros valores positivos - a nossa sociedade italiana foi construída e a nossa cultura, juntamente com a de toda a Europa, foi estruturada, não pode e não deve morrer.