Riccardi Andrea: na web

Riccardi Andrea: em redes sociais

Riccardi Andrea: revista de imprensa

change language
você está em: home - news newsletterlink

Support the Community

  
13 Fevereiro 2016

Síria, o acordo de Munique é um começo, mas parem os bombardeamentos

Entrevista a Mauro Garofalo no "Avvenire"

 
versão para impressão
13 Febbraio 2016

Sant'Egidio sobre a Síria: um inicio, mas terminam os raids. Entrevista a Mauro Garofalo

A Comunidade, promotora do apelo para salvar Alepo, saudou o acordo

Qualquer plano a colocar em prática na Síria deverá pensar por macro-áreas, pensando na “população concentrada nos confins da Turquia, Líbano e Jordânia” e nas zonas de guerra “ainda não alcançáveis” . Levar ajuda, é o ponto de partida da lógica de Mauro Garofalo, responsável do Estrangeiro e do trabalho pela paz da Comunidad e de Sant’Egidio, “terminar as hostilidades, o governo prometer mover-se e que os rebeldes fazer entrar os bens de primeira necessidade não urgentes, mas urgentíssimos». 
O acordo alcançado em Munique vai nesta direção? 
É bom que existe a vontade de por fim às hostilidades, começando a pensar de forma politica sobre a transição dando prioridade à ajuda humanitária. De acordo com os mesmo signatário, no entanto, há ainda muitos pontos de interrogação; é antes de mais um acordo que não envolve os intervenientes Sírios e não prevê, por exemplo, o fim dos bombardeamentos. É difícil enviar ajuda debaixo das bombas - Mesmo assim é um acordo do qual a Síria necessitava à meses. 
Se o cessar fogo se tornar realidade, de onde a cooperação deverá partir? 
A partir de cidades sitiadas que também têm sido o objeto da disputa e um dos motivos da interrupção das negociações em Geneva 3. Este é certamente um ponto de partida. Depois de anos de guerra, contudo, não existe um sector mais importante do que outro, tudo é uma prioridade humanitária neste território, onde temos visto as crianças que morrem de fome. É necessário por isso partir da população, estes são os hotspot mais importantes, sem esquecer que  existem centros ainda não alcançáveis. 
Quais são as prioridades? 
É necessário trabalhar a vários níveis. Antes de mais sobre o enorme numero de refugiados que vivem concentrados no Líbano, Turquia e Jordânia, que com grande cansaço suportam um peso grandíssimo, sobre os quais os governos deveriam concentrar ações de suporte. Depois existe o povo no interior, isto é, o que não conseguiu escapar e vive amontoado nas fronteiras e as pessoas que ficaram presas nas áreas de guerra. 
O que falta? 
Falando com a rede de religiosos no território, dizem-nos que è um problema de fornecimento – agua, luz e aquecimento – esta é a base para sobreviver. Falta comida e os medicamentos para os poucos hospitais que ainda estão de pé. A reorganização da distribuição de bens essenciais é assim a prioridade. Depois existe um pensamento a médio prazo: fazer as crianças voltar à escola depois de 4 anos, tratar os idosos de quem não se cuidou, refazer um tecido social destruído. 
Quais são as cidades a alcançar com maior urgência? 
Alepo, Homs, Madaia, Zabadani. Na Síria, no entanto, é mais justo pensar por áreas. A situação mais grave é a frente centro-norte, na zona que vai de Homs até Alepo. Nesta terra de ninguém que se estende até à fronteira com a Turquia neste momento a vida é mais dura e os ataques aéreos não dão chance à população. Depois há a área de Hassake e a zona na fronteira norte-este; aqui a população sofre muito e as pequenas comunidades cristãs são vitimas de dificuldades de todos os géneros. Um pouco mais “tranquila” é a zona mais a sul onde é Deraa. 
Como reconstruir, alem das casas, também as comunidades? 
É preciso imaginar a Síria como um País dividido em pequenas zonas de guerra entre eles, eis porque é necessário pensar e tomar conta das minorias – os cristãos quase desapareceram – é necessário pensar num diálogo que ultrapasse as questões simples “Assad deve ir embora ou ficar”. Tem que se recomeçar a questionar se será possível viver juntos, como acontecia em Alepo. Se não for possível faze-lo na Síria, então onde é possível? A ajuda humanitária deve ser acompanhada pela assistência básica… Infelizmente, por agora, estamos ainda na fase na qual se dispara e chovem bombas.


 LEIA TAMBÉM
• NOTÍCIA
21 Julho 2017
ROMA, ITÁLIA

Abrir 'Caminhos de Paz' num mundo marcado por demasiados conflitos: Lançado o encontro Internacional Paths of Peace

IT | EN | ES | DE | FR | PT | CA | ID
20 Junho 2017
ROMA, ITÁLIA

República Centroafricana assinado em Sant'Egídio o acordo para um cessar-fogo e um road map para a paz

IT | EN | ES | DE | FR | PT | CA | NL | RU | HU
21 Março 2011

Jos (Nigéria) - Conferência sobre a paz, o serviço aos pobres e o diálogo inter-religioso

IT | EN | ES | DE | FR | PT | CA | NL
2 Janeiro 2011

Em Roma, o Papa saudou os que participaram à caminhada “Paz em todas as terras” promovida pela Comunidade de Sant’Egidio

IT | ES | DE | FR | PT | CA | NL | CS
4 Novembro 2010

Paris: A Fundação Chirac conferiu o Prémio pela prevenção dos conflitos a Mario Giro da Comunidade de Sant’Egidio

IT | ES | FR | PT | CA
todas as notícias
• IMPRIMIR
24 Junho 2017
Vida Nueva

Centroáfrica busca la paz con la ayuda de Sant'Egidio

20 Junho 2017
Jeune Afrique

Centrafrique : un accord conclu à Sant’Egidio

20 Junho 2017
Xinhua - chinese press agency

Central African Republic gov't, rebels sign peace deal in Rome

19 Junho 2017
Journal du Cameroun

Centrafrique: accord entre le gouvernement et les groupes armés

19 Junho 2017
Africa News

Central African Republic warring factions sign peace accord to end conflict

19 Junho 2017
BBC News

Fighting groups sign truce in CAR

todos os press releases
• EVENTOS
10 Agosto 2017 | LEUCA, ITÁLIA

A Santa Maria di Leuca per costruire un ponte nel Mediterraneo

Todas as reuniões de oração pela paz
• DOCUMENTOS

''Entente de Sant'Egidio'': Political Agreement for Peace in the Central African Republic

Libya: The humanitarian agreement for the region of Fezzan, signed at Sant'Egidio on June 16th 2016 (Arabic text)

Nuclear Disarmament Symposium on the 70 th anniversary of the atomic bomb. Hiroshima, August 6 2015

todos os documentos