change language
você está em: home - news newsletterlink

Support the Community

  
10 Setembro 2017 | MÜNSTER, ALEMANHA

Papa Francisco no encontro "Caminhos de Paz": "para vencer a indiferença diante de guerras e violência. A Europa é mais aberta e unida"

 
versão para impressão

 O caminho de paz e diálogo "é actual e necessário: conflitos, violência generalizada, terrorismo e guerras ameaçam hoje  milhões de pessoas, esmagam a sagralidade da vida humana e tornam a todos mais frágeis e vulneráveis". Na sua mensagem aos líderes religiosos convidados pela Comunidade de Sant'Egidio, em colaboração com a Diocese de Münster e Osnabrück, para o encontro internacional "Casminhos de Paz", o Papa Francisco pede para não se resignar, vencer a indiferença e recolher o convite "a abrir e construir novos caminhos de paz ".

isso é necessário, especialmente onde os conflitos parecem sem saídas, onde não se quer começar caminhos de reconciliação, onde eles se confia nas armas e não no diálogo, deixando povos inteiros mergulhados na noite da violência, sem a esperança de um alvorecer de paz ". O encontro desses dias "parece querer mesmo responder a este convite: vencer a indiferença diante do sofrimento humano. Agradeço-vos por isso e pelo fato de estarem juntos, apesar das diferenças, para buscar caminhos de libertação dos males da guerra e do ódio. Para fazer isso, o primeiro passo é saber ouvir a dor do outro, fazê-lo próprio, sem deixá-lo cair e sem se acostumar com isso: nunca se deve acostumar ao mal, nunca precisa ser indiferentes". Podemo-nos perguntar: o que fazer perante tanto mal que dilaga e se espalha? Não é demasiado forte? Não é vão todo todo o esforço?, com o risco de deixar-se paralisar pela resignação, mas já "o vosso estarem juntos - escreveu o Papa Francisco - representa uma resposta de paz: nunca mais uns contra outros, mas uns com o os outros. As religiões só podem desejar a paz, industriosas na oração, prontas para se curvar sobre os feridos da vida e os oprimidos da história, vigilantes para combater a indiferença e promover caminhos de comunhão".
Ao lado dos líderes políticos e cívicos, "obrigados a promover a paz para todos, hoje e no futuro, as religiões - escreveu o Papa aos participantes no encontro de Münster - são chamadas, especialmente com a oração e com o compromisso concreto, humilde e construtivo, a responder a essa sede, a identificar e abrir, juntamente com todos os homens e as mulheres de boa vontade, caminhos de paz, sem se cansar", perante "a irracionalidade daqueles que profanam a Deus semeando ódio, perante o demónio da guerra, a loucura do terrorismo, a força enganadora das armas".
Para abrir os caminhos de paz "precisamos de coragem e perseverança humildes e, acima de tudo, é necessário orar, porque - acredito isso firmemente - a oração é na raiz da paz. Como líderes religiosos, temos, sobretudo neste momento histórico, também uma responsabilidade particular: ser e viver como pessoas de paz, que testemunham e lembram que Deus detesta a guerra, que a guerra nunca é santa, que a violência nunca pode ser comprometida ou justificada em nome de Deus. Também somos chamados a despertar as consciências, espalhar a esperança, suscitar e apoiar os obreiros da paz".

O que "não podemos e não devemos fazer é permanecer indiferentes, de modo que as tragédias do ódio caiam no esquecimento e resignemos à idéia de que o ser humano seja descartado e que sejam antepostos a ele o poder e o ganho". É significativo para o Papa Francisco, que o encontro tenha lugar no coração da Europa, no ano em que o continente celebra os sessenta anos dos Tratados de fundação da União, assinado em Roma em 1957. A paz é "no coração da construção europeia, depois das ruínas causadas por duas guerras mundiais desastrosas e da terrível tragédia da Shoah".


 LEIA TAMBÉM
• NOTÍCIA
8 Setembro 2017

Transmissão ao vivo da liturgia eucarística na catedral de Münster no sábado 9 de Setembro às 18h30

IT | EN | ES | FR | PT | ID
22 Dezembro 2017
ROMA, ITÁLIA

Andrea Riccardi foi recebido em audiência pelo Papa Francisco: corredores humanitários e paz entre os temas do encontro

IT | ES | DE | FR | PT | CA | NL | ID
12 Setembro 2017

LIVE STREAMING da conclusão de #PathsofPeace: às 17 horas oração cristã e às 18:30 cerimónia final

ES | FR | PT | CA
10 Setembro 2017
MÜNSTER, ALEMANHA

MERKEL em #stradedipace: parar os traficantes de morte, abrir os canais legais. Obrigado a Sant'Egidio pelos #corridoiumanitari

IT | EN | DE | PT | NL
20 Setembro 2016
ASSIS, ITÁLIA

Os cristãos árvores de vida que absorvem a indiferença: Papa Francisco na oração pela paz em Assis

IT | EN | ES | DE | PT | HU
todas as notícias
• IMPRIMIR
15 Setembro 2016
Iglesia en directo

Asís: el diálogo interreligioso por la paz, 30 años después

21 Setembro 2016
Vida Nueva

Papa Francisco en Asís: “Solo la paz es santa, y no la guerra”

28 Abril 2017
FarodiRoma

In Egitto l’abbraccio del Papa con il Grande Imam di Al-Azhar: Francesco, fratello caro

21 Março 2017
Clarín

El Papa Francisco, los refugiados y los corredores humanitarios

21 Setembro 2016
Diario Co Latino

“Las Iglesias solo queremos la paz”: Jaime Aguilar

21 Setembro 2016
El Pais (Spagna)

El papa Francisco pide que ante la guerra no haya "división entre las religiones"

todos os press releases
• PENA DE MORTE NO
24 Setembro 2015

Pope Francis calls on Congress to end the death penalty. "Every life is sacred", he said

ir para nenhuma pena de morte
• DOCUMENTOS

Intervención de Jaime Aguilar, de la Comunidad de Sant'Egidio de San Salvador

Intervención de Jean Kawak, arzobispo siroortodoxo de Damasco durante la visita del papa Francisco a la Comunidad de Sant'Egidio

Saludo de Andrea Riccardi al papa Francisco en ocasión de su visita a la Comunidad de Sant'Egidio

Intervención de Dawood Yousefi, refugiado afgano, durante la visita del papa Francisco a la Comunidad de Sant'Egidio

todos os documentos

FOTOS

255 visitas

274 visitas

104 visitas

185 visitas

246 visitas
todos os meios de comunicação relacionados