Oração com os santos

Condividi su

Festa de São Francisco de Assis (+1226).
Recordação da dedicação da "capelinha" de Primavalle, primeiro lugar de oração da Comunidade de Santo Egídio na periferia de Roma. A 4 de Outubro de 1992 foi assinado em Roma o acordo de paz que pôs fim à guerra em Moçambique. Oração por todos os operadores de paz.


Leitura da Palavra de Deus

Aleluia aleluia, aleluia

Vós sois uma geração escolhida
um sacerdócio real, uma nação santa,
povo resgatado por Deus
para proclamar as suas maravilhas.

Aleluia aleluia, aleluia

São Mateus 11,25-30

Naquela ocasião, Jesus tomou a palavra e disse: «Bendigo-te, ó Pai, Senhor do Céu e da Terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e aos entendidos e as revelaste aos pequeninos. Sim, ó Pai, porque isso foi do teu agrado. Tudo me foi entregue por meu Pai; e ninguém conhece o Filho senão o Pai, como ninguém conhece o Pai senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar.» «Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, que Eu hei-de aliviar-vos. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração e encontrareis descanso para o vosso espírito. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.»

 

Aleluia aleluia, aleluia

Vós sereis santos,
porque Eu sou santo, diz o Senhor.

Aleluia aleluia, aleluia

Celebramos hoje a festa de São Francisco de Assis, recordando a sua morte que ocorreu na noite de 3 de Outubro de 1226. O seu testemunho continua ainda hoje a comover os corações de tantos homens e mulheres em direcção do Senhor. O encontro com o leproso que Francisco abraçou e beijou, e o facto de ter ouvido a voz do Crucifixo de São Damião, marcam a sua conversão. Desde então, o jovem Francisco começou a viver o Evangelho «sem acréscimos». Nele, o Evangelho tornou-se fermento de fraternidade universal. A página evangélica que a liturgia nos oferece nesta festa relata uma das orações de Jesus. É um agradecimento de Jesus ao Pai porque Se debruçou sobre os pequeninos, revelando-lhes o mistérios do Seu amor que salva: um mistério oculto há séculos e que nem sequer os sábios teriam podido compreender se Deus não o tivesse revelado, isto é, que Deus amou de tal maneira o mundo que mandou o Seu próprio Filho para salvar todos os homens do poder do mal e da morte. E agradou ao Pai salvar os homens a começar pelos mais simples e pelos mais humildes. É o «privilégio dos pobres», um dado presente na história bíblica desde as suas primeiras páginas e ainda hoje está presente na vida dos discípulos de Jesus. O Papa Francisco não deixa de no-lo recordar com o seu próprio exemplo. Precisamente por isso escolheu o nome do santo de Assis que exorta, ainda hoje, com o seu exemplo, a adscrevermo-nos também nós entre os pequeninos que acolheram e viveram este amor. São Francisco pertence àquela longa fileira de crentes que, como um fio condutor, atravessa vinte séculos de história cristã: a preferência de Deus pelos pobres e pelos humildes. É daqui que Deus parte para salvar o mundo. Francisco repercorreu a antiga vivência dos discípulos de Jesus: eles, pessoas simples e desprezadas, foram escolhidos por Jesus como apóstolos do Reino. Através dos discípulos de hoje, Jesus continua a dirigir-Se às multidões cansadas deste mundo e a dizer-lhes: «Vinde a Mim, todos os que estais cansados de carregar o peso do vosso fardo e Eu vos darei descanso».