news

Refugiados, um ano de corredores humanitários comemorado hoje com uma nova chegada do Líbano

27 Fevereiro 2017 - ROMA, ITÁLIA

Syriarefugeeshumanitarian corridor

Andrea Riccardi: "Um projeto que combina integração e segurança. Não aos muros"- são já cerca de 700 pessoas acolhidas no nosso país pelo projeto promovido por Sant'Egidio juntamente com as Igrejas Protestantes Italianas

Compartilhe Em

O primeiro ano de corredores humanitários foi celebrado hoje, em Fiumicino, com as boas-vindas a 50 novos refugiados sírios, aos quais se juntarão mais 75 no próximo dia 2 de Março, graças ao projeto promovido pela Comunidade de Sant'Egídio, Federação das Igrejas Evangélicas de Itália e Tavola Valdese. Com estas novas chegadas sobe para cerca de 700 o número de pessoas que vieram para o nosso país desde o inicio desta iniciativa  a 29 de fevereiro de 2016: todos chegaram com segurança e legalmente a Itália, com a aprovação do Ministério dos negócios Estrangeiros e da Administração Interna.

A acolher as famílias sírias, que chegaram de Beirute com um voo Alitalia, estava o fundador da Comunidade de Sant'Egídio, Andrea Riccardi, o presidente da Federação das Igrejas Evangélicas em Itália, Luca Maria Negro, o responsável do departamento Oito por Mil da Igreja Valdense, Susanna Pietra, a responsável dos serviços aos migrantes da Comunidade Sant'Egídio, Daniela Pompei, o vice-ministro dos negócios estrangeiros, Mario Giro e o subsecretário da administração interna, Domenico Manzione.

Há, diz Andrea Riccardi, "uma simpatia da sociedade italiana pelos confrontos na Síria". "Num ano de trabalho, que permitiu fazer chegar a Itália um número significativo de refugiados em segurança favorecendo a integração - disse o fundador de Sant'Egídio - compreendemos o desejo de muitas pessoas de acolher. A Europa não está condenada a enfrentar a imigração com medo ou demagogia. E as paredes são apenas paliativas. Isso é demonstrado pelo facto de que outros países europeus estão próximos de abrir novos corredores humanitários: França deve fazê-lo no mês de março ".

"Aquilo que parecia um sonho tornou-se realidade e completa hoje um ano de idade", observou Luca Maria Negro, agradecendo a todos os que na Itália estão a trabalhar pela integração. As novas famílias sírias serão acolhidas - como aconteceu com as chegadas anteriores - pela comunidade, paróquias, associações e famílias em várias regiões italianas, incluindo, pela primeira vez a Sardenha na ilha de Maddalena. São na verdade 68 municípios, em 17 regiões da Itália, que ofereceram hospitalidade aos refugiados que chegaram.

Outros 300 continuarão a chegar até ao final do ano, enquanto 500, na sua maioria eritreus, somalis e sudaneses do sul, virão da Etiópia, graças a um outro acordo com o Estado italiano, sempre promovido pela Comunidade de Sant’Egídio em conjunto com o conferência Episcopal Italiana. A aceitação generalizada é um elemento crucial de um projeto, totalmente autofinanciado, que favorece a inclusão dos refugiados que chegaram no tecido civil e social do país, no ambiente escolar para as crianças e no trabalho para os adultos, com grande benefício para a sociedade.