news

Há 23 anos a morte de Yaguine e Fodé, jovens migrantes que sonhavam com um futuro diferente. Uma história de hoje

2 Agosto 2022

MIGRANTS

Compartilhe Em

Vinte e três anos passaram desde 2 de Agosto de 1999 quando Yaguine Coita e Fodé Tounkara, dois jovens guineenses, foram encontrados congelados até à morte no trem de aterragem de um avião no aeroporto de Bruxelas, coração da Europa, vindo de Conacri, a capital da Guiné. Infelizmente, ao longo dos anos, outras jovens vítimas encontraram o mesmo destino, tais como Laurent Barthélémy Guibahi Ani, um rapaz marfinense de 14 anos que foi encontrado congelado até à morte no aeroporto de Paris em Janeiro de 2020, ou o rapaz do Mali encontrado com o seu boletim de notas cosido nas suas roupas.

Histórias de esperança, de desespero, e de novo, dramaticamente, de morte.

Yaguine e Fodè tinham escrito e trazido consigo uma carta, dirigida a 'Suas Excelências os Membros e Líderes daEuropa' e descrevendo os muitos problemas que as crianças e os jovens africanos sofreram e as grandes expectativas que depositavam na Europa e nos seus governantes.
No tempo da pandemia, o desnível entre os países avançados e o Sul global corre o risco de se alargar novamente, devido à disponibilidade desigual da vacina, e esse grito, lançado por Yaguine e Fodè, é hoje mais relevante do que nunca, mas infelizmente muitas vezes não é ouvido. Escreveram então: "Se vêem que nos sacrificamos e pomos as nossas vidas em risco, é porque sofremos demasiado em África. Temos guerra, doença, falta de alimentos”.
A história de Yaguine e Fodè, que puseram as suas vidas em risco e as sacrificaram, é a história de hoje, a história de tantos que todos os dias procuram perigosamente um futuro e perdem as suas vidas no encontro dramático com a inacessibilidade de uma Europa ainda demasiado fechada.