Riccardi Andrea: na web

Riccardi Andrea: em redes sociais

Riccardi Andrea: revista de imprensa

change language
você está em: home - news newsletterlink

Support the Community

  
4 Fevereiro 2015 | ROMA, ITÁLIA

Dom Romero será beatificado. O abraço de toda a Igreja. Esta noite às 20,30 em S.Maria in Trastevere uma oração de acção de graça

Um artigo de Andrea Riccardi no "Corriere della Sera"

 
versão para impressão


No dia 3 de Janeiro de 2015, o Papa Francisco aprovou a beatificação de Dom Oscar Arnulfo Romero, bispo mártir salvadorenho. Andrea Riccardi comentou no diário "Corriere della Sera" a histórica decisão

Romero  será beatificado. O abraço de toda a Igreja.

 

Andrea Riccardi alla tomba di mons. Romero a San Salvador
Andrea Riccardi no túmulo de Dom Romero em San Salvador
Oscar Romero, arcebispo de San Salvador, foi morto pelos militares a 24 de Março de 1980. Ele se tornou num ícone  pela Igreja, representado em pinturas murais na América Latina. Por outro lado, houve uma grande oposição: Romero, para os críticos, não se tinha "convertido" aos pobres, mas era manipulado pelos jesuítas da Universidade Católica (mortos em 1989 por grupos que eram contra a guerrilha). O Cardinal Lopez Trujillo lutou contra o reconhecimento do martírio de Romero: considerava o prelado demasiado "pro marxista", e temia que a sua beatificação pudesse transformar-se na canonização da teologia da libertação, a que o cardeal se opunha. Ontem, todavia, a Congregação para as Causas dos Santos reconheceu o martírio e o Papa Francisco aprovou a beatificação. Uma vitória da Igreja Popular?
A história é mais complexa. Em 1983, João Paulo II quis ir ao túmulo do arcebispo de El Salvador (apesar da oposição) e disse: "Romero é nosso". As relações entre os dois não foram idílicos: Wojtyla, contudo, inclinou-se perante o mártir. Romero, descrito como "inesquecível" pelo Papa, foi inserido por ele entre os caídos do século XX, depois de ter sido excluído.
Não foi um teólogo da libertação. A biografia escrita por Roberto Morozzo della Rocca, "Primero Dios", descreve o arcebispo como um pastor ao lado de Paulo VI. Em 1977, recém-nomeado arcebispo, ficou chocado com o assassinato de Rutilio Grande, um paróco jesuíta, com fortes capacidades pastorais. Começou então a defender os direitos dos pobres e da Igreja, como ele afirmava. Acusaram-no de fazer política contra o poder estabelecido: mas ele não aceitava que os salvadorenhos fossem massacrados na polarização sangrenta entre guerrilheiros e direita, e que fossem condenados à pobreza por uma oligarquia reacionária. A morte veio cedo. Romero sentia-o e na sua última visita a Roma, em Janeiro de 1980, disse: "eu voltarei, mas me matarão, não sei se a esquerda ou a direita". Um mês depois, ele confidenciou a um amigo: "Custa-me aceitar a morte violenta que, nestas circunstâncias, é muito possível". Ele não pediu para ser transferido para o Vaticano, como alguém lhe sugeriu. Ele foi morto enquanto rezava a missa, depois de um sermão em que falou de martírio.
Após a morte Romero tornou-se num símbolo popular da Igreja. Sobre o processo de beatificação, iniciado em 1993, pesaram as advertências e as pressões, embora nada de crítico emergisse na ortodoxia do bispo. A distorção da figura após a morte faz parte do martírio contemporâneo. Várias vezes o processo ficou interrompido no ex-Santo Ofício, até 2012, por razões de conveniência. Pouco antes de renunciar, no entanto, Bento XVI autorizou a retomar o processo. Era preciso tomar uma decisão sobre uma figura que a história reconstruiu na sua riqueza. Francisco decidiu pela beatificação deste bispo dos pobres como um mártir. Além das controvérsias antigas, existe uma grande devoção popular para com ele em Salvador. Seu lema era: Sentir com a Igreja. Seria injusto não reconhecer que Romero morreu pela Igreja e o seu povo

 LEIA TAMBÉM
• NOTÍCIA
25 Abril 2017
BERLIM, ALEMANHA

Jovens, África e diálogo inter-religioso no centro do encontro em Berlim entre Andrea Riccardi e Angela Merkel

IT | EN | ES | DE | PT
24 Abril 2017
BERLIM, ALEMANHA

Amanhã em Berlim encontro entre Andrea Riccardi e Angela Merkel para falar sobre a Europa, a paz e migrantes

IT | ES | DE | FR | PT | NL
22 Abril 2017
ROMA, ITÁLIA

A oração do Papa Francisco para os mártires do nosso tempo. As imagens da visita

IT | EN | ES | DE | FR | PT
22 Abril 2017
ROMA, ITÁLIA

Papa em São Bartolomeu, Andrea Riccardi: "Os mártires ensinam-nos a vencer com o amor e não com o poder"

IT | PT
20 Março 2017
ROMA, ITÁLIA

Terminou em Roma, o congresso dos representantes das Comunidades de Sant'Egidio de África e da América Latina

IT | EN | ES | DE | FR | PT | CA | NL
15 Março 2017

A força da paz desarmada, o novo livro de Andrea Riccardi a partir de amanhã nas livrarias italianas

IT | PT
todas as notícias
• IMPRIMIR
25 Abril 2017
Corriere della Sera

Bergoglio disarmato di fronte alla violenza

24 Abril 2017
Vatican Insider

Germania, Riccardi incontra Merkel per discutere di Europa, pace e migranti

22 Abril 2017
SIR

Papa Francesco all’Isola Tiberina: Riccardi (Com. Sant’Egidio), “il grido dei rifugiati e il messaggio profondo del martirio al centro della visita”

22 Abril 2017
Avvenire

Papa Francesco. «I campi per i rifugiati non siano campi di concentramento»

22 Abril 2017
Avvenire

Roma. Il saluto a Francesco, pellegrino nel ricordo dei nuovi martiri

20 Abril 2017
Famiglia Cristiana

Andrea Riccardi. Il sangue dei martiri unisce i cristiani

todos os press releases
• EVENTOS
9 Maio 2017 | MADRI, ESPANHA

Presentación del libro "Periferias" de Andrea Riccardi

Todas as reuniões de oração pela paz
• DOCUMENTOS

Andrea Riccardi - Oriente y Occidente - Diálogos de civilización

todos os documentos
• LIVROS

La forza disarmata della pace





Jaca Book

Periferias





San Pablo
todos os livros

FOTOS

1322 visitas

1240 visitas

1533 visitas

1367 visitas

1400 visitas
todos os meios de comunicação relacionados