Riccardi Andrea: na web

Riccardi Andrea: em redes sociais

Riccardi Andrea: revista de imprensa

change language
você está em: home - news newsletterlink

Support the Community

  
5 Março 2015

Na tradição da Igreja existe uma bagagem de sapiência que sempre sustentou uma cultura de proximidade aos anciãos,

uma disposição ao acompanhamento carinhoso e solidário na parte final da vida.

 
versão para impressão

 Na tradição da Igreja existe uma bagagem de sapiência que sempre sustentou uma cultura de proximidade aos anciãos, uma disposição ao acompanhamento carinhoso e solidário na parte final da vida. Esta tradição está arraigada na Sagrada Escritura, como testemunham por exemplo estas expressões contidas no Livro do Sirácide: «Não desprezes os ensinamentos dos anciãos, dado que eles os aprenderam com os seus pais. Estudarás com eles o conhecimento e a arte de responder de modo oportuno» (Eclo 8, 11-12).

A Igreja não pode e não quer conformar-se com uma mentalidade de intolerância, e muito menos de indiferença e de desprezo, em relação à velhice. Devemos despertar o sentido comunitário de gratidão, de apreço e de hospitalidade, que levem o idoso a sentir-se parte viva da sua comunidade.

Os anciãos são homens e mulheres, pais e mães que antes de nós percorreram o nosso próprio caminho, estiveram na nossa mesma casa, combateram a nossa mesma batalha diária por uma vida digna. São homens e mulheres dos quais recebemos muito. O idoso não é um alieno. O idoso somos nós: daqui a pouco, daqui a muito tempo, contudo inevitavelmente, embora não pensemos nisto. E se não aprendermos a tratar bem os anciãos, também nós seremos tratados assim.

Nós, idosos, somos todos um pouco frágeis. No entanto, alguns são particularmente débeis, muitos vivem sozinhos, marcados por uma enfermidade. Outros dependem de curas indispensáveis e da atenção dos outros. Daremos por isso um passo atrás, abandonando-os ao seu destino? Uma sociedade sem proximidade, onde a gratuitidade e o afago sem retribuição — inclusive entre estranhos — começam a desaparecer, é uma sociedade perversa. Fiel à Palavra de Deus, a Igreja não pode tolerar estas degenerações. Uma comunidade cristã em que a proximidade e a gratuitidade deixassem de ser consideradas indispensáveis perderia juntamente com elas também a sua alma. Onde não há honra pelos idosos não há porvir para os jovens.


 LEIA TAMBÉM
• NOTÍCIA
6 Junho 2017

Os pobres e os excluídos precisam de alguém que para eles se torne “paráclito”, ou seja, consolador e defensor.

IT | ES | DE | FR | PT
18 Maio 2017

A doença não pode nem deve levar-nos a esquecer que aos olhos de Deus o nosso valor permanece sempre inestimável

IT | ES | DE | FR | PT
15 Abril 2017
ROMA, ITÁLIA

Ó Cristo, nosso único Salvador, voltamos a ti também este ano com os olhos baixos de vergonha e com o coração cheio de esperança

IT | FR | PT
23 Março 2017

Sonho um novo humanismo europeu, ao qual servem memória, coragem e utopia sadia e humana.

IT | EN | ES | DE | FR | PT
22 Fevereiro 2017

A nossa resposta comum às migrações é em quatro verbos: acolher, proteger, promover e integrar.

IT | DE | FR | PT
9 Dezembro 2016

Para fazer parte do Reino de Deus é preciso realizar uma transformação na nossa vida, ou seja, converter-nos, fazer um passo em frente cada dia

IT | DE | FR | PT
todas as notícias
• IMPRIMIR
31 Outubro 2015
La Repubblica

Papa Francesco, Romero martire due volte: "Dopo la sua morte per mano dei vescovi"

28 Julho 2014
Il Mattino

Riccardi: svolta storica, la preghiera può unirci

4 Setembro 2013
L'Osservatore Romano

Associazioni e movimenti laicali in vista della giornata di digiuno e orazione

3 Setembro 2013
L'Eco di Bergamo

«Papa Francesco così ha spiazzato tutte le diplomazie»

22 Agosto 2013
Famiglia Cristiana

La via aperta da Francesco al dialogo tra le religioni

todos os press releases