Riccardi Andrea: na web

Riccardi Andrea: em redes sociais

Riccardi Andrea: revista de imprensa

change language
você está em: home - news newsletterlink

Support the Community

  
8 Junho 2009

Bukavu (Republica Democrática do Congo): Carta aberta da Comunidade de Sant’Egidio da cidade às autoridades congolesas sobre a solidariedade com quem vive nas adversidades

 
versão para impressão

A seguir a detenção, por razões de decoro, de oitenta e cinco pessoas pobres – entre as quais trinta menores e dois deficientes – a Comunidade de Sant’Egidio de Bukavu enviou uma carta aberta às autoridades para que se façam todos os esforços para a humanização da cidade, promovendo acções de solidariedade e de acolhimento para quem vive nas adversidades.

CARTA ABERTA ÀS AUTORIDADES DE BUKAVU

Soubemos por Rádio Okapi a 26 de Maio de 2009, da detenção, por parte da polícia, de 85 pessoas entre as quais 29 menores e 56 adultos, dois dos quais com deficiência física.

A acusa movida a estas pessoas é muito pouco clara: sujidade, pouco cuidado ao se vestir, atitude potencial ao crime. De acordo com um estado de direito – e nós acreditamos firmemente que a RDC seja um estado de direito – uma pessoa pode ser perseguida pela justiça somente se for provado o crime por ela cometido e perpetrado.

O que nos preocupa, é que o acontecimento seja, por um lado, um fragrante abuso de poder exercido pela polícia, que deveria garantir a segurança dos cidadãos de não bem esclarecidos fins (alguns dizem que foi pedido dinheiro aos que, numa maneira legítima, pediam notícias que diz respeito aos seus familiares aprisionados), por outro lado, podemos constatar com preocupação, que na nossa cidade está a crescer uma cultura que tende a criminalizar os pobres e as camadas mais desfavorecidas da cidade.

A Comunidade de Sant’Egidio em Bukavu, como em muitas outras partes do mundo (trata-se de uma associação pública de leigos da Igreja Católica reconhecida pela Santa Sé) optou por ficar ao lado dos pobres, conscientes do que Jesus disse explicitamente no Evangelho de São Mateus ao capítulo 25 “Pois tive fome e me destes de comer. Tive sede e me destes de beber. Era forasteiro e me recolhestes. Estive nu e me vestistes, doente e me visitastes, preso e vieste ver-me (Mt 25, 35 – 36).” É por isso que começamos a conhecer os pobres, a conhecer os nomes deles e as suas histórias, infelizmente muito semelhantes, acreditamos, às dos 85 desconhecidos detidos a 26 de Maio passado.

Pela nossa experiência podemos dizer que os pobres não são potenciais malfeitores, ninguém o é,, mas são as condições sociais de vida, as vicissitudes humanas, amiúde dolorosas, ligadas à história dos últimos anos de guerra do nosso País, que levam homens, mulheres, meninos, a cumprir gestos, as vezes desesperados, as vezes violentos, contra os bens e as pessoas. Mas aqui não se trata de fazer mais uma guerra contra os pobres para garantir a segurança da cidade...
Já temos suficiente guerra fora do aglomerado e, sinceramente, não pensamos que Bukavu precise disso.

Permitam-nos, então, de sugerir aos administradores da coisa pública, um antigo provérbio que diz que é melhor prevenir do que remediar. E a prevenção não se faz por detenções arbitrárias, os pobres não são a causa de um mal-estar, mas o resultado de injustiça generalizada. E tal como não se pode limpar uma cãs escondendo a poeira debaixo do tapete, não se pode pensar em resolver os problemas da cidade aprisionando os pobres...além disso pensamos que já não haja mais espaço na pequena cadeia e Bukavu, já apinhada.
Para nós a prevenção é uma política de solidariedade, que construa estradas, escolas, que possa dar apoio aos jovens da cidade para saírem da marginalização e do anonimato. Soubemos que poderão ser libertadas as pessoas que possam provar a sua identidade, e estamos satisfeitos por isso, mas também perguntamo-nos em que situação se encontra hoje o Registo Civil da nossa cidade, e quantos meninos da nossa província não são registados e ficam “invisíveis” privados dos direitos e à mercê de grupos criminosos e de grupos armados.

Mas a nossa não quer ser apenas uma denúncia estéril. Já no mês passado mobilizamo-nos para a libertação de 13 meninos de rua que tinham sido detidos em condições muito semelhantes às da mais recente e numerosa “rusga”. Hoje estes rapazes, já não vivem pela rua e, graças à Comunidade, vivem numa casa alugada, na qual começam a ver, perante si, uma perspectiva de vida diferente. Os nossos actuais recursos não nos permitem de pensar em coisas ainda maiores, mas esta história demonstrou-nos que as vezes é suficiente de verdade um pouco de boa vontade e, por isso, fazemos apelo à boa vontade de todos para resolver juntos os problemas da nossa cidade.

Na verdade, acreditamos que os problemas de Bukavu não sejam os pobres, mas que os problemas dos pobres sejam os problemas da cidade e, portanto, também os nossos. E ao ajudar os pobres, numa cidade mais humana e solidária, poderíamos todos viver melhor.

Apelamo-nos, portanto, à Polícia e ao bom senso das autoridades civis da cidade, para que, com um gesto de sabedoria e de clarividência, possam reparar ao que para todos parece um claro abuso, para restabelecer a justiça e tentar encontrar juntos soluções partilhadas para o bem de todos.

Nós alargamos este apelo a todos os agentes do “bem comum”: câmara municipal, parlamento provincial, MONUC, Igreja católica e as diferentes congregações religiosas, bem como as outras denominações cristãs e associações religiosas e de defesa dos direitos humanos, porque juntos podemos trabalhar e conseguir resolver, numa maneira concreta, o mal-estar de muita gente que hoje vive na rua.
Temos, por isso, a ousadia de sugerir um percurso que defina algumas prioridades que apresentamos às autoridades:

1. Promulgação de um inquerido sobre a situação do registo civil;
2. Um levantamento das crianças que vivem fora do contexto familiar;
3. Promoção de um serviço social que inclua:
     a. Escolaridade em larga escala
     b. Reinserção na família de origem, sempre que tal seja possível, ou, em alternativa, centros para jovens sem laços familiares, a ser identificados com a colaboração de todas as partes interessadas.

Por último, absolutamente não queremos criticar o desprezar o trabalho das forças policiais e dos nossos militares que, como sabemos, operam sempre em condições de grande dificuldade e de pobreza, nós respeitamo-los e admiramos o empenho deles para o bem comum. O que queremos expor à atenção de todos é de encontrar um terreno comum no qual trabalhar juntos para colaborar à humanização da nossa cidade.

A Comunidade de Sant’Egidio em Bukavu


 LEIA TAMBÉM
• NOTÍCIA
23 Novembro 2016
GOMA, REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DO CONGO

Floribert, jovem mártir da corrupção: aberta oficialmente a causa de beatificação pelo bispo de Goma

IT | ES | DE | FR | PT | HU
10 Novembro 2016
GOMA, REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DO CONGO

Um novo ano começa para as crianças do campo de refugiados de Mugunga na Escola de Sant'Egidio

IT | DE | FR | PT
29 Julho 2016
REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DO CONGO

A aliança entre as crianças e os Idosos do Kivu que celebram juntos o Jubileu da Misericórdia

IT | ES | DE | FR | PT
2 Julho 2016
GOMA, REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DO CONGO

A educação é um direito de todos: "desenham" isso as crianças da Escola da Paz do campo de refugiados de Mugunga

IT | EN | ES | DE | FR | PT | HU
14 Junho 2016
BUKAVU, REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DO CONGO

Jubileu da Misericórdia em Congo: os idosos de Bukavu celebram-no com Sant'Egidio

IT | ES | DE | PT | CA | RU | HU
22 Setembro 2015
BUKAVU, REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DO CONGO

Na região dos Grandes Lagos, ferida por tanta violência, Sant’Egidio fala da paz no espírito de Assis #peaceispossible

IT | EN | ES | DE | FR | PT
todas as notícias
• IMPRIMIR
7 Dezembro 2016
Il Secolo XIX

Spettro povertà, l'aiuto riparta dalle periferie

1 Dezembro 2016
Il Piccolo

«Chi chiede l'elemosina è vittima di pregiudizi»

23 Novembro 2016
Notizie Italia News

Fatti: Un giovane della periferia africana ci insegna a non essere schiavi del denaro

22 Novembro 2016
Giornale di Sicilia

«In difficoltà soprattutto gli anziani che per anni hanno aiutato figli e nipoti»

18 Outubro 2016
Affari Italiani

A Roma non c'è spazio per i nuovi poveri. Mense affollate e pochi dormitori

7 Outubro 2016
ASCA

Comunità di Sant'Egidio: nessuno è vaccinato contro la povertà

todos os press releases
• DOCUMENTOS
Alan Edwin Thomas Harper

THE FACE OF THE POOR IN THE CONTEMPORARY CITY by Alan Edwin Thomas Harper

Mary Tanner

Unity and love of the poor by Mary Tanner

todos os documentos
• LIVROS

Rapporto sulla povertà a Roma e nel Lazio 2012





Francesco Mondadori
todos os livros

VIDEO FOTOS
9:37
Il pranzo di Natale 2013

404 visitas

390 visitas
todos os meios de comunicação relacionados

Per Natale, regala il Natale! Aiutaci a preparare un vero pranzo in famiglia per i nostri amici più poveri