Riccardi Andrea: na web

Riccardi Andrea: em redes sociais

Riccardi Andrea: revista de imprensa

change language
você está em: home - news newsletterlink

Support the Community

  
17 Outubro 2015 | ROMA, ITÁLIA

Os refugiados acolhidos por Sant'Egidio contam as suas histórias a Ban Ki-Moon #refugeeswelcome

Do Afeganistão, Mali e da Eritreia, as histórias de sofrimento e esperança daqueles que conseguiram alcançar a salvação

 
versão para impressão

Ao longo do encontro com os refugiados na Comunidade de Sant'Egidio, o Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-Moon, escutou os testemunhos de três deles. Referimo-las aqui na íntegra:

 

 

Sediqa Ibrahimi dall'Afghanistan
Chamo-me Sediqa, venho do Afeganistão e sou de etnia azara. Cheguei na Itália há alguns anos. Eu me considero sortuda porque o meu marido, já refugiado na Itália, me chamou. Eu tenho dois filhos, estudei neste país que se tornou o meu país. Desde o ano passado sou uma cidadã italiana e estou orgulhosa por isso. A minha família e a do meu marido está espalhada em quase todos os continentes do mundo: os meus pais estão refugiados na Áustria, outros familiares estão nos EUA e alguns irmãos estão na Austrália. Esta é a condição de muitos afegãos, famílias separadas e espalhadas por todo o mundo. Eu adoraria ver de novo a minha cidade de Ghazni, mas é impossível, e consolo-me escutando a música, e quando as pipas voam penso no céu do meu país.
Neste tempo no Afeganistão há de novo uma situação difícil por causa do terrorismo do Isis que afecta particularmente a etnia azara. No mês passado, 25 membros da minha família fugiram para o Irão, prosseguindo em seguida para o Paquistão, para alcançar a Turquia e de lá para a Europa.
Toda as vezes que olho para os meus filhos, que nasceram em Roma, que brincam felizes penso quanto é importante e valiosa a Paz. Quantas crianças afegãs nasceram no terror da guerra e da violência, quantas vezes acordam com o ruído das bombas ou dos tiros. Eu cresci num país que nunca viu a paz. São mais de trinta anos de guerras, violências e terrorismo.
 Nos últimos meses vi na tevê tantos refugiados que vêm para a Europa, e até reconheci muitos dos meus compatriotas a caminho em busca de um futuro de esperança e de paz. É da manhã de ontem a notícia do jovem refugiado afegão morto na Bulgária quando tentava entrar na Europa, e com ele gostaria também recordar os muitos jovens mortos escondidos por baixo dos camiões em busca de uma vida melhor.
Eu oro pela Paz no meu país e para todos os países em guerra. Com a Comunidade de Sant'Egidio, aprendi a respeitar, conhecer e encontrar pessoas de línguas, religiões e culturas diferentes. Por isso, chamamo-nos de Povos de Paz e trabalhamos de graça para construir a sociedade do viver juntos. Somos uma pequena ONU que busca a paz e a harmonia com mais pessoas possível. Por isso estou feliz em conhecer-lhe e agradeço-lhe pelo seu incansável trabalho pela paz.

Tadese Fisaha dall'Eritrea

Chamo-me Tadese Fisaha. Venho da Eritreia, onde nasci em 1985. Eu deixei o meu país em 2011 e vim para a Europa em 2013.
Antes de chegar na Itália eu passei por Etiópia, Sudão e Líbia, como a maioria dos eritreus.  Da Líbia parti a 1 de Outubro de 2013 com 500 outras pessoas, porque nos foi prometido um grande barco para viajar juntos. Havia também muitas mulheres com os seus filhos. Eu estava com alguns amigos e outras pessoas da minha família. Minha viagem, da Eritréia para a Itália custou mais de 3.000 dolares.
Após 24 horas de navegação, começámos a ver a terra: era Lampedusa. Finalmente já não estávamos em perigo e ficamos aliviados.
Ma infelizmente, o barco começou a pegar água, então alguém, para atrair a atenção e obter ajuda atearam fogo a um cobertor. Então o medo levou muitas pessoas a se mudarem para um lado do barco, de modo que este se reverteu. Então, as pessoas que estavam na ponte caíram na água e os que estavam nos três andares do porão ficaram presos. Era o dia 3 de Outubro de 2013, um dia que, infelizmente, permanece na história dos refugiados. 369 pessoas morreram. Uma tragédia.
Eu e mais 146 homens e 6 mulheres fomos salvos por pescadores de Lampedusa. Eu fui o último a ser salvado. MApanharam-me pelo cinto das calças. Tinha desmaiado e levaram-me ao hospital inconsciente. Apenas um ano mais tarde, quando voltei para Lampedusa eu pude encontrar o meu salvador, Costantino, por causa daquele pormenor das calças. Hoje somos grandes amigos, e eu considero esse dia minha nova data de nascimento. juntamente com os amigos da Comunidade de Sant'Egidio, reconstruímos os nomes e os rostos de muitos que afogaram. Criamos este cartaz, que recolhe os rostos de muitos amigos que morreram naquela noite. Nós não queremos esquecer tudo isso, porque essas tragédias nunca mais devem acontecer.
Muitos refugiados quando chegam na Europa, encontram dificuldades em fazer o reagrupamento familiar, e por causa disso as famílias ficam separadas: meu irmão está na Alemanha, minha tia está na Áustria. Seria bom facilitar a possibilidade de viver juntos num único país.
Hoje eu vivo aqui em Roma e ajudo outros refugiados que chegam na Itália, e não têm nada. Eu fui salvo e agora tenho que ajudar os outros em perigo. Realmente espero que, no futuro, se possa encontrar caminhos melhores para deixar o próprio país sem ter que arriscar a vida.

Alou Badara Sanogo, del Mali

Chamo-me Alou Badara Sanogo, tenho 22 anos e venho do Mali.
Eu vim para a Itália em 2014, porque no meu país há guerra.
Em 20 de Abril de 2012 no Mali rebentou um conflito que começou no norte e, em seguida, envolveu todo o país.
Como o meu tio está no exército, minha família foi ameaçada, especialmente os jovens da família já não podia sair para ir à escola, ao trabalho ou faculdade. Nós estávamos com medo.
Por esta razão eu fugi com o meu irmão.
Do Mali foi para o Níger, onde permaneci por três meses para procurar uma escola onde a continuar a estudar. Mas estava caro e eu não tinha ninguém para me ajudar a pagar. Então eu saí do Niger e fui para a Líbia. Levei 15 dias para atravessar o deserto, cerca de 3000 km até chegar à fronteira com a Líbia. Durante a viagem, muitas pessoas morreram e eu também perdi meus amigos.
Na fronteira com a Líbia que fui preso e fiquei na prisão por três meses. Por fim, consegui escapar e cheguei na cidade de Saba na Líbia. Nessa cidade eu vivi seis meses para ganhar dinheiro para continuar a viagem e chegar em Tripoli.
Meu sonho era estudar, portanto em Tripoli encontrei uma escola, um trabalho para pagar meus estudos e teria ficado lá. Mas cinco meses depois a guerra chegou em Tripoli e minha escola foi ocupada pelos rebeldes. Em todos os lugares em que eu ia havia guerra. E então eu deixei a Líbia para vir para a Itália.
Eu tinha medo de atravessar o mar e não queria sair. Mas não havia outra possibilidade. Fui forçado a fugir para encontrar um lugar tranquilo onde viver e estudar
.
Atravessei o Mediterrâneo com uma pequena embarcação, juntamente com 97 outras pessoas. Três pessoas morreram durante a viagem porque já não tínhamos comida ou água.
Depois de quatro dias perdidos no mar salvou-nos um navio que nos levou para a Itália, em Siracusa. Assim que eu saí conheci algumas pessoas das Nações Unidas e, por isso, me acalmei.
Depois de algumas semanas em Siracusa vim para a Roma. Aqui, finalmente. Após uma viagem de quase dois anos, sempre com medo, sempre fugindo. Eu, que sou muçulmano, encontrei nesta comunidade cristã o calor de uma família, eu vi que Deus não me havia abandonado, encontrei amizade e amor.
Agora estou feliz porque posso continuar a estudar e aprender muitas coisas. Agradeço a Deus e a Comunidade de Sant'Egidio e todos os italianos pela acolhimento dado a nós.
Obrigado a todos


 LEIA TAMBÉM
• NOTÍCIA
2 Novembro 2015
RIMINI, ITÁLIA

Corredores humanitários: Sant'Egidio, Igreja Valdense e Comunidade João XXIII juntos para salvar vidas humanas

IT | ES | DE | FR | PT | CA | RU
14 Março 2017
PARIS, FRANÇA

A partir de Hoje os corredores humanitários para os refugiados também em França, assinado esta manha o acordo no Palácio do Eliseu

IT | EN | ES | DE | FR | PT | CA | NL | RU | PL | HU
8 Julho 2016
MALAVI

No campo de refugiados de Luwani, onde estão milhares de moçambicanos, chega a ajuda de Sant'Egidio Malawi

IT | EN | ES | DE | FR | PT | CA | RU
14 Abril 2016

Refugiados, Riccardi: Convocar um Sínodo ecumênico dos cristãos europeus. Não aos muros, acolher é um dever

IT | ES | FR | PT | CA | PL
19 Outubro 2015

Ban Ki-Moon em Sant’Egídio encontra os refugiados e lança uma mensagem de solidariedade global #onuatrastevere

IT | ES | PT | NL | RU
todas as notícias
• IMPRIMIR
2 Novembro 2017
Adista Segni Nuovi

Rifugiati: sarà vera svolta?

21 Agosto 2017
Radio Vaticana

Sant'Egidio: preoccupazione per sgomberi di rifugiati a Roma

20 Agosto 2017
OnuItalia

Sgombero rifugiati a Roma: preoccupazione UNHCR e Sant’Egidio

11 Março 2017
Vatican Insider

La rifugiata siriana che lavora da biologa nell’ospedale del Papa

3 Novembro 2016
Famiglia Cristiana

Ma sugli immigrati la UE deve fare di più

11 Setembro 2016
Corriere della Sera - Ed. Milano

«Dalla Siria alla Cattolica, In fuga dai carcerieri Isis» Le storie dei cinque profughi cristiani «adottati» dall'università

todos os press releases
• EVENTOS
25 Agosto 2017 | VILLA LITERNO, ITÁLIA

Memoria di Jerry Masslo e di tutti i profughi morti nei viaggi verso l'Europa

Todas as reuniões de oração pela paz
• PENA DE MORTE NO
10 Outubro 2017

On 15th World Day Against the Death Penalty let us visit the poorest convicts in Africa

7 Outubro 2015
UNITED STATES

The World Coalition Against the Death Penalty - XIII world day against the death penalty

5 Outubro 2015
EFE

Fallece un preso japonés tras pasar 43 años en el corredor de la muerte

24 Setembro 2015

Pope Francis calls on Congress to end the death penalty. "Every life is sacred", he said

12 Março 2015
Associated Press

Death penalty: a look at how some US states handle execution drug shortage

12 Março 2015
AFP

Arabie: trois hommes dont un Saoudien exécutés pour trafic de drogue

9 Março 2015
AFP

Peine de mort en Indonésie: la justice va étudier un appel des deux trafiquants australiens

9 Março 2015
AFP

Le Pakistan repousse de facto l'exécution du meurtrier d'un critique de la loi sur le blasphème

9 Março 2015
Reuters

Australia to restate opposition to death penalty as executions loom in Indonesia

28 Fevereiro 2015
UNITED STATES

13 Ways Of Looking At The Death Penalty

15 Fevereiro 2015

Archbishop Chaput applauds Penn. governor for halt to death penalty

11 Dezembro 2014
MADAGÁSCAR

C’est désormais officiel: Madagascar vient d’abolir la peine de mort!

ir para nenhuma pena de morte
• DOCUMENTOS

L'omelia di Mons. Marco Gnavi alla preghiera Morire di Speranza, in memoria dei profughi morti nei viaggi verso l'Europa

Appello al Parlamento ungherese sui profughi e i minori richiedenti asilo

Omelia di S.E. Card. Antonio Maria Vegliò alla preghiera "Morire di Speranza". Lampedusa 3 ottobre 2014

Nomi e storie delle persone ricordate durante la preghiera "Morire di speranza". Roma 22 giugno 2014

Omelia di S.E. Card. Vegliò durante la preghiera "Morire di speranza"

Le vittime dei viaggi della speranza - grafici

todos os documentos